Autor

Henrique Alexandre da Fonseca

Browsing

A aquisição pelo Governo Português das três fragatas tipo MEKO 200 da classe VASCO DA GAMA, construídas na Alemanha e entregues no decurso do ano de 1991, trouxe acrescidas capacidades à Marinha de Guerra. Eram três excelentes navios, bem armados e equipados, ao nível das melhores unidades do seu tipo então existentes nas Marinhas Aliadas da NATO.

Estas unidades foram responsáveis pela introdução entre nós dos mísseis HARPOON e SEA SPARROW, dos decoys SRBOC e do sistema anti-míssil PHALANX, do helicóptero orgânico, de um sistema de combate computorizado, da transmissão de dados operacionais por link 11, de modernos equipamentos de comunicações e de um SICC (fornecido pela firma portuguesa EID), das turbinas a gás e de novos sistemas de limitação de avarias.

Mas não só… com efeito, trouxeram também, a par de novos desafios e de uma enorme motivação, a capacidade de comando de uma força naval, a organização interna por departamentos, introduziram diferentes rotinas e horários na vida de bordo, assim como novos conceitos tacticos, um maior rigor no treino, na avaliação e certificação de procedimentos, e provocaram alterações até na alimentação. Foi um programa demorado que culminou, no ano de 1991, com a entrega da primeira fragata, o N.R.P. VASCO DA GAMA (F-330) em 18 de Janeiro, nos estaleiros Blohm & Voss, em Hamburgo, e das fragatas N.R.P.’s ALVARES CABRAL (F-331) e CORTE REAL (F-332), respetivamente, a segunda, em 24 de Maio e a terceira, em 22 de Novembro do mesmo ano, nos estaleiros HDW, em Kiel.

No global, podemos considerar que este programa decorreu de forma muito positiva e que a Marinha integrou rapidamente as suas novas unidades. Na realidade, os novos conceitos, qual “revolução silenciosa”, em pouco tempo se estenderam a todos os navios da Esquadra, às Escolas Técnicas e à Escola Naval, às Direcções Técnicas e aos Serviços de Apoio. A Marinha de Guerra Portuguesa tornou-se numa organização moderna, dos nossos dias, tecnológicamente evoluída, eficiente e eficaz. Os bons resultados consistentemente obtidos pelos navios da classe VASCO DA GAMA na frequência do Operational Sea Training, no Reino Unido, foram a consequência; de assinalar mesmo, em 2004, a classificação de GOOD atingida pela CORTE REAL, a melhor classificação atribuida nesse ano por aquele centro de treino inglês, o que então encheu de orgulho a Marinha Portuguesa, mas que terá passado praticamente despercebido do grande público.

Livro Duas Naus
A edição original

A ENN – Editora Náutica Nacional, Lda, não podia por isso deixar de se associar a estas comemorações, com a edição de uma obra, da responsabilidade da nossa chancela “Edições Revista de Marinha”. Trata-se da reedição do livro de Maurício de Oliveira, “Duas Naus e um Cruzador”, relativo aos navios que outrora tiveram o nome de VASCO DA GAMA. Com a coordenação do Cte. Orlando Themes de Oliveira, acrescentou-se uma nota biográfica do autor (Mauricio de Oliveira), elaborada por Luís Miguel Correia, bem como dois novos capítulos, relativos às fragatas que posteriormente tiveram o mesmo nome. O capitulo relativo à Fragata VASCO DA GAMA (1961 / 1971 F – 478), de origem inglesa – a ex-MOUNTS BAY, foi redigido pelo V/Alm. João Ferreira Barbosa. O capítulo relativo à unidade que hoje ostenta aquele honroso nome teve como base os contributos dos sucessivos comandantes daquela unidade.

Ligamos assim o passado com o presente, numa simbiose que nos parece feliz e que esperamos possa também agradar aos nossos leitores. Esta edição comemorativa terá como titulo “Duas Naus, um Cruzador … e duas Fragatas”.

O livro em apreço está disponível para os assinantes da Revista de Marinha por um preço especial de 15€ por exemplar (IVA incluido), a que acrescem os portes de correio. Os pedidos deverão ser feitos a  revistamarinha@gmail.com   ou pelo tlm: 91 996 4738..