1. Skip to Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer>
Quarta 22 Nov

História do reduto Gomes Freire

PDF Versão para impressão Enviar por E-mail


            3652Numa edição do Ministério da Defesa Nacional, esta obra tem o esclarecedor sub-título ... contributos para a História das Forças Armadas Portuguesas e da Organização do Tratado do Atlântico Norte no reduto.

            O forte de S. Julião da Barra tem nas suas imediações, a cerca de 700 m a NE, o outeiro do Algueirão ou da Medrosa, com uma cota 34 m acima da fortaleza. Assim, quando Wellington construiu a linha fortificada de Oeiras, para apoiar a retirada do exército inglês caso as linhas de Torres cedessem à ofensiva de Massena, o Alto do Algueirão foi então fortificado. O reduto nº 98 passou a constituir a posição principal daquela linha fortificada, que se estendia até à costa, à direita do forte de S. João das Maias.

            A fortificação em apreço, construida em 1810, foi reconstruida em 1849 e denominada Forte Duque de Bragança, e alvo de grandes trabalhos em 1887. Em 1910 passou a designar-se “Reduto da Medrosa” e em 1912 “Reduto Gomes Freire”. Em 1918 aquelas instalações foram consideradas obsoletas, deixando de ter interesse militar. Atribuido à Marinha em 1960, foi em 1968 cedido à NATO que ali construiu as instalações do COMIBERLANT, inauguradas em 1971.

            Presentemente, aquelas instalações albergam a Unidade de Apoio ao Reduto Gomes Freire, o Comando Conjunto para as Operações Militares, o COMSTRIKFORNATO, o Comando Naval (previsto passar para o Alfeite) destacamentos da agência de comunicações NCIA, do JALLC e da ACCI da NATO, e seis Unidades de Apoio das Forças Armadas dos E.U.A, da Alemanha, Reino Unido, Itália, França e Espanha, num total de mais de 400 militares e civis, portugueses e de diversos países NATO.

            Numa obra de excelente apresentação gráfica é-nos indicado o enquadramento histórico do Reduto Gomes Freire, e em seguida, uma curta descrição dos diversos comandos, agências e unidades de apoio ali sediadas. O livro encerra com um capítulo relativo ao Monumento a Gomes Freire de Andrade, erigido em 1853 no local onde aquele ilustre militar e destacado maçon morreu enforcado, em 18 de Outubro de 1817.

            Em síntese, uma obra muito interessante, que será certamente do agrado de quem se interessa pela nossa história militar e dos muitos militares portugueses que ali serviram ou servem. Apenas peca por uma tiragem insignificante, de vinte exemplares, não permitindo assim a divulgação a que a sua elevada qualidade fazia jus.

            Ao autor, o C.m.g. Oliveira Fuzeta, um prestigiado Oficial da Armada, enviamos calorosas felicitações por um trabalho bem feito, que se integra num “dever de memória” que a todos deveria importar, e a quem endereçamos um sincero e marinheiro BRAVO ZULU !

        Por   A.F.

 


 

rebonave01

Economia Mar

enidh new

 

Porto de Aveiro Porto da Figueira da Foz

 

01
02

Venda de RM’s antigas

2273

Inquérito

Assuntos Preferidos

 

 

 

 

 

 

 


  Resultados

Navios de Cruzeiro

MSC Opera MSC Lirica MSC Sinfonia Princess-Daphne MSC Melody Princess-Danae MSC Armoria MSC Fantasia Athena