1. Skip to Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer>
Sexta 24 Mar

Pensamento histórico e ação política do 2º Visconde de Santarém (1809 – 1855)

PDF Versão para impressão Enviar por E-mail


3697Manuel Francisco de Barros e Sousa de Mesquita de Macedo de Leitão e Carvalhosa, 2º Visconde de Santarém, nasceu em Lisboa em 1791, viveu nesta cidade e com a corte no Rio de Janeiro, e ocasionalmente em Londres e Paris, e a partir de 1834 no seu exílio parisience.

            Estudou no Colégio dos Nobres após o que iniciou por sua própria iniciativa estudos de preparação para a carreira diplomática. Em 1807 foi designado guarda-roupa do Príncipe D. Pedro, cargo de que foi afastado em 1809, por ter contraído varíola, ou talvez antes por alguma intriga palaciana. Acabou por ser aceite como diplomata e foi nomeado por mais de uma vez para cargos no estrangeiro, mas, por razões diversas, nunca exerceu nenhum ... até ter sido designado Ministro dos Negócios Estrangeiros do governo de D. Miguel, de 1828 a 1833. Contudo, um ano antes havia já integrado um governo cartista, por uns escassos três meses, em Junho de 1827, como Ministro do Reino e, interino, da Marinha e Ultramar.

            Ser ministro de um governo miguelista não seria certamente tarefa fácil, num país profundamente dividido e empobrecido com as invasões francesas e com a separação do Brasil. Pior ainda para o responsavel pela pasta dos Estrangeiros, pois este governo não era reconhecido pelos seus pares europeus, sendo mesmo hostilizado pelos governos liberais de França e de Inglaterra. Por outro lado, a partir de 1832 reacendeu-se a guerra civil com o desembarque dos liberais no Mindelo e no ano anterior ocorreu o affaire Roussin. Dois súbditos franceses tiveram casos de polícia que originaram uma troca exaltada de cartas com o Consul de França em Lisboa, que súbitamente escalaram para um ultimatum do Governo de Paris ao Governo de Lisboa. Quando o Visconde apelou ao ... nosso mais antigo aliado ... constatou que Lord Palmerstron, o Primeiro-Ministro liberal do Reino Unido, havia mandado zarpar a Esquadra Britânica que normalmente estacionava no Tejo, deixando o campo livre aos franceses. O Almirante Albin Roussin forçou então a entrada da barra e veio fundear frente à cidade de Lisboa, tendo entretanto apresado diversas unidades navais portuguesas, sem qualquer resistência. A capitulação humilhante do governo miguelista desprestigiou-o em relação aos seus próprios cidadãos e as unidades navais capturadas bem falta fizeram na guerra civil que se seguiu.

            O Visconde de Santarém exilou-se em Paris quando da vitória liberal, iniciando um período muito fecundo de produção literária nas áreas da história diplomática e dos descobrimentos, bem como da cartografia e da geografia, mantendo correspondência epistolar com muitas personalidades de cultura de então, portuguesas e estrangeiras, como Alexander von Humboldt, Navarrete, Avezac, Jommard e Walckenaer. Foi membro ativo da Sociedade de Geografia de Paris e da Sociedade Asiática de França, tendo sido também acolhido na Sociedade de Geografia de Berlim e noutras reputadas associações cientificas europeias.

            Em síntese, um livro que nos apresenta um retrato de corpo inteiro de uma personalidade muito interessante, fascinante mesmo, e através dela de um período pouco conhecido, o reinado de D. Miguel, pois como se sabe ... a história é escrita pelos vencedores.

            O autor, a quem a Revista de Marinha envia calorosos parabens, Daniel Estudante Protásio, é Doutor em História Institucional e Política Contemporânea pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, e investigou a vida e obra do 2º Visconde de Santarém nas suas teses de mestrado e de doutoramento. É atualmente bolseiro de pós-doutoramento da FCT, investigador do CEIS 20 da Universidade de Coimbra e do Centro de História da Universidade de Lisboa e é sócio da Sociedade de Geografia de Lisboa.

            O livro em apreço, com excelente apresentação gráfica, é uma edição de autor que contou com o apoio da FCT e com os patrocínios da Administação do Porto de Lisboa, Fundação Oriente, Fundação D. Manuel II, Symington Family Estates e da firma Novembal, Lda, bem como de alguns particulares. A 1º edição em papel saiu do prelo em Maio de 2016. O preço de capa são 6€, a que acrescem, se aplicaveis, os portes de correio.

            Aos possiveis interessados junto indicamos os contactos do autor-editor, t/m 91 982 1977, e-mail Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar e endereço postal Casa Florença, Rua das Rosas, nº 72, Alto dos Gaios, 2765-076 Estoril.

 


 

rebonave01

Economia Mar

enidh new

 

Porto de Aveiro Porto da Figueira da Foz

 

01
02

Venda de RM’s antigas

2273

Inquérito

Assuntos Preferidos

 

 

 

 

 

 

 


  Resultados

Navios de Cruzeiro

Athena Princess-Daphne MSC Fantasia Princess-Danae MSC Armoria MSC Sinfonia MSC Opera MSC Lirica MSC Melody