1. Skip to Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer>
Domingo 20 Ago

Leixões Recebe o “BARCO DA PAZ”

PDF Versão para impressão Enviar por E-mail


3913 00No passado dia 18 de Maio, procedente de Valência e com destino a Le Havre, passou por Leixões o OCEAN DREAM ostentando as cores da organização Peace Boat, ou seja, “Navio da Paz”. Atracou pelas 06.45 horas ao cais de passageiros de Leça da Palmeira, tendo partido pelas 22.00 horas do mesmo dia.

                  Na circunstância, talvez seja interessante perceber o que é o Peace Boat. Resumidamente:

                  A Peace Boat é uma organização internacional não-governamenteal e, como ta,l sem fins lucrativos. Tem a sua sede em Tóquio, Japão, tendo como finalidade a sensibilização da consciência de grupos dispostos a fomentar mudanças sociais e políticas positivas no mundo através de programas educacionais globais, viagens responsáveis, projectos cooperativos e outras acções visando a construção e preservação da paz, os direitos humanos, a protecção ambiental e o desenvolvimento sustentável.

                  Esta organização nasceu em 1983 quando Yoshioka Tatsuya e Kiyomi Tsujimoto, à época estudantes da Waseda University de Tóquio, como resposta às controvérsias dos livros de história japoneses, decidiram dar início ao Peace Boat, organizando a primeira viagem com o auxílio de outros estudantes que perfilhavam as mesmas opiniões. Foi assim que, ainda em 1983, foi organizada a primeira viagem de um grupo de estudantes universitários japoneses como uma resposta criativa de censura do governo relativamente à agressão militar do Japão na área Ásia-Pacífico. Fretaram um navio para visitar os países vizinhos com o objectivo de apreender, em primeira mão, os efeitos da guerra e experimentar o início da troca de pessoas. A organização Peace Boat realiza as suas principais actividades recorrendo ao fretamento de um navio de passageiros, que navegará pelo mundo em viagens de paz; e desde a sua primeira viagem em 1983 já foram fretados vários, adaptando os espaços públicos a bordo de molde a proporcionarem um ambiente próprio e único aos participantes nas viagens. Cria-se, assim, no navio, um espaço neutro e móvel que permite que as pessoas se envolvam no diálogo e 3913 03na cooperação mútua no mar e nos portos visitados.

                  Durante a sua história, a Peace Boat fretou sempre navios diferentes. Os mais recentes foram o THE TOPAZ (31.500 GT), um transatlântico construído em 1955 como EMPRESS OF BRITAIN, que foi operado entre 2003 e 2008. Seguiu-se-lhe o CLIPPER PACIFIC (18.416 GT), construído em 1970 para a Royal Caribbean, que foi operado em 2008 durante muito pouco tempo em virtude de numerosos e repetidos problemas que levaram a interromper uma viagem no Pireu. O MONA LISA(28.891 GT), construído em 1966 por um estaleiro escocês, foi então fretado para completar a viagem interrompida. Operou como Peace Boat entre 2008 e 2009. Entre 2009 e 2012 seria a vez de o OCEANIC (38.772 GT), construido em Itália, operar como Peace Boat, até chegar a vez do que agora visitou Leixões, o OCEAN DREAM, que vem sendo operado pela organização desde 2012.

                  Funcionando como uma autêntica universidade flutuante, são as considerações sócio-políticas que prevalecem em detrimento de interesses comerciais, sendo aquelas que determinam em grande medida a escolha dos destinos. Durante os seis primeiros anos após a fundação, o Peace Boat realizou cruzeiros de uma ou duas semanas de duração por vários países asiáticos ao redor do Japão, à razão de um por ano; mas desde 1990 vem efectuando viagens por todo o mundo.

                  O OCEAN DREAM, o Peace Boat que há dias visitou Leixões pela primeira vez, foi construído pelo estaleiro dinamarquês Aalborg Værft de Alborg para a Carnival Cruise Line, em cuja frota se manteve com o nome TROPICALE até ao ano de 2000. Teve o número de estaleiro 234. Foi lançado à água em 31 de Outubro de 1980 e entregue ao armador em 4 de Dezembro de 1981, entrando efectivamente em serviço em 16 de Janeiro de 1982.

                  3913 01O TROPICALE foi o primeiro navio novo a ser encomendado pela Carnival para operar principalmente nas Caraibas. Foi também pioneiro no que se refere à chaminé “com asas” que viria a tornar-se imagem de marca da Companhia. Navegou na Carnival desde 1981 até 2000, tendo Monróvia, na Libéria, como porto de registo. Ainda ao serviço da Carnival, em 19 de Setembro de 1999, o navio sofreu um incêndio na casa das máquinas, tendo ficado sem propulsão.   Quando navegava a reboque no Golfo do México, teve que enfrentar a tempestade tropical Harvey. Felizmente, nos dois dias em que teve de suportar o temporal, não se registaram acidentes pessoais quer de passageiros quer de tripulantes.

                  Como unidade mais pequena da Carnival e ainda antes de reentrar em serviço, o navio foi transferido para a Costa Crociere em 2001 e rebaptizado com o nome COSTA TROPICALE. Permaneceu na Costa até 2005, sendo registado durante este período no Panamá. O COSTA TROPICALE, no decurso dos anos 2001 e 2002, foi submetido a uma profunda reforma em Génova a fim de adaptar o navio aos gostos de uma clientela europeia. Entre as modificações a que foi submetido, conta-se a sua chaminé que passou a ser cilíndrica, forma que ainda mantém, perdendo assim a feição anterior, típica da Carnival.

                  Substituído por unidades maiores e mais modernas, o navio foi transferido no outono de 2005 para a P&O Australia. Foi submetido a uma profunda remodelação em Palermo e rebaptizado como PACIFIC STAR. Teve como madrinha Sara Davies, Miss Mundo Australia 2004. Foi registado em Londres, no Reino Unido até 2008, enquanto permaneceu na Companhia. Neste ano, navegou algum tempo baseado em Singapura até que foi vendido à Pullmantur. Submetido a nova remodelação, agora em Singapura, viria a receber o nome PACIFIC DREAM, sendo registado em Valleta, Malta, até que em 2012 acabou fretado à organização Peace Boat, que o registou no Panamá, e a quem nesta data permanece fretado.

                  Em Junho de 2009, um surto de gripe suina que ocorreu a bordo do PACIFIC DREAM durante um cruzeiro na América Central e do Sul, obrigou a que a Pullmantur fizesse atracar o navio em Margarita, Venezuela, para desembarque dos passageiros venezuelanos, seguindo depois para Aruba onde desembarcou os restantes passageiros.

                  À data da construção, o navio apresentava um porte de 36.674 GT, que viu reduzida para 35.190 quando passou a ser o PACIFIC 3913 00DREAM. Tem um comprimento de 204.36 m, 26.45 m de boca e um calado de 7.00 m. Pode transportar até 1.422 passageiros, embora como Peace Boat usualmente navegue apenas com 800 a 1000 ocupantes.

                  Fruto da atual utilização do navio, a disposição dos espaços públicos foi adaptada para acolher palestras, servir como salas de aula, escritórios e áreas de ensaios. Os alunos dos programas Global University, International Student, Global English e Español Training utilizam as salas de aula e o salão de baile, enquanto os demais salões são locais de apresentação de grandes eventos, funcionando também quer como salas de aula quer como espaços de palco.

\                Além destes espaços de trabalho, o navio também oferece locais de relaxamento e exercício, incluindo um deck de desportos, ginásio, biblioteca, piscinas, jacuzis, bares e cafés, além de locais para banhos de sol. As refeições principais a bordo são servidas em dois restaurantes, combinando cozinha japonesa e internacional. Também estão disponíveis s bordo serviços de telefone e internet via satélite, sujeitos a uma taxa extra.

                  Código de chamada: 3EWW6, Nº IMO: 7915096, MMSI: 373297000

MAYES, William ( 20149. Cruise Ships, Fifth Edition, Windsor: Overview Press

MILLER, William. (1995).The Pictorial Encycpedia of Ocean Liners, 1860-1994. Mineola: Dover Publications

PETER, Bruce (2012). Costa Cruises. Isle of Man: Ferry Publications

SMITH, Peter (20149. Cruise Ships, The Small Scale Fleet, Barnsley: Pen & Sword Maritime

Wikipedia, the free encyclopedia, várias entradas

Página da Peace Boat na internet

 

Texto: Arq. Paiva Leal

Fotos: Reinaldo Delgado

 


 

Navios de Cruzeiro

MSC Fantasia MSC Armoria MSC Sinfonia Athena Princess-Daphne MSC Melody MSC Lirica MSC Opera Princess-Danae