1. Skip to Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer>
Terça 17 Out

A atividade baleeira e o Museu de Marinha de Lisboa

PDF Versão para impressão Enviar por E-mail


Q4012 01uem visitar o Museu de Marinha, em Lisboa, depara-se com um acervo extremamente interessante relativo à atividade baleeira que teve lugar entre nós, nos Açores e na Madeira, durante século e meio. Trata-se de uma área muito especial de atividade, que se projeta para além das temáticas tradicionais ligadas ao sector da pesca, tendo em conta as características únicas que revestiu até determinado momento, a suspensão internacional da pesca comercial em 1986, no que diz respeito à captura de espécimes.

                  Importa, pois, dar notícia do acervo museológico que se encontra patente no Museu. Os elementos pertinentes podem encontrar-se na ‘Sala da Pesca Costeira’ e no ‘Pavilhão das Galeotas’. Mas o Museu dispõe de múltiplos outros suportes para além daqueles que se encontram visíveis para o visitante: modelos de baleeiros; peças de scrimshaw; medalhas; fotografias. Nos expositores disponíveis encontram-se os seguintes elementos: um mapa dos Açores com a sinalização de importantes portos de baleação; um modelo de bote baleeiro e respetiva palamenta; três dentes de cachalote gravados com cenas relativas à arpoação. Além disso, é projetado um filme-documentário realizado em 1949 por Robert Clarke, oceanógrafo britânico, e que tem por título Azorean open boat whaling in the North Atlantic.

O espólio visível compreende ainda um bote baleeiro exposto no ‘Pavilhão das Galeotas’ que tem a menção ‘Oferta do Dr. Manuel Christiano de Sousa da União das Armações Baleeiras das Flores e Corvo Lda. em 1967’. O bote apresenta-se com a respetiva palamenta. Encontra-se ainda no Pavilhão um conjunto de painéis que fez parte da Exposição ‘Portugal-Noruega. Duas Nações Voltadas ao Mar’, que integra elementos sobre a atividade baleeira nos Açores. Além disso, o Museu, na sua página eletrónica, dá relevo a esta atividade, descrevendo as características que revestiu ao longo dos tempos. Na parte relativa à ‘Extensão Educativa’ pode encontrar-se um questionário relativo à ‘Sala da Pesca Costeira’, aí se inserindo uma questão sobre as embarcações que representam os Açores e a Madeira e cuja resposta remete para a ‘atividade baleeira’.

Na loja do Museu, o acervo bibliográfico compreende a obra de Robert Clarke, publicada em 1954 com o título Baleação em Botes de Boca Aberta nos Mares dos Açores e Métodos Atuais de uma Indústria-Relíquia, na tradução de Fernando Jorge Faria da Silva, de 2001 (título original Open Boat Whaling in the Azores. The History and Present Methods of a Relic Industry).

Pode afirmar-se que a apresentação museológica da ‘atividade baleeira’ constitui, hoje, apenas um elemento de uma conceção ampla desta atividade. Com efeito, há4012 muitos outros aspetos que continuam a integrar um conceito dinâmico e atual da atividade: análise socioeconómica, difusão cultural, preservação e valorização do património, investigação científica, desenvolvimento da cooperação, participação em instâncias e negociações internacionais.

Não podemos esquecer que Portugal participou ativamente, como observador, nos trabalhos da Comissão Baleeira Internacional, tendo aderido, em 2002, ao estatuto de membro de pleno direito desta organização internacional, desempenhando participação de relevo no seu âmbito. Bastará recordar os trabalhos preparatórios de revisão da Convenção Internacional de Regulação da Pesca da Baleia, que tiveram lugar, numa das sessões, no Estoril, bem como a realização, em 2009, no Funchal, da Reunião Anual da Comissão ou a eleição de Portugal para um mandato do respetivo Comité Consultivo. Por todas estas razões se justifica que se continue a tratar esta temática e a empreender todos os esforços no sentido de se valorizar as suas diversas e multifacetadas componentes.

       Por  FCC

Referências bibliográficas

AFONSO, João , Mar de Baleias e Baleeiros, Ed. da Região Autónoma dos Açores – Secretaria Regional da Educação e Assuntos Sociais – Direcção Regional da Cultura, Angra do Heroísmo, 1998.

COMERLATO, Fabiana, "A musealização da caça à baleia: proposta de análise comparada entre Portugal, Estados Unidos e Noruega" in Anais do 2° Simpósio Internacional de História Ambiental e Migrações, Florianópolis SC, Brasil – 17 a 19 de setembro de 2012, 2012, pp. 134-147.

CORREIA CARDOSO, Fernando José, " A presença da ‘actividade baleeira’ dos Açores no Museu de Marinha (Lisboa)" in Boletim do Núcleo Cultural da Horta, n° 25, 2016, pp. 191-206.

FREITAS, Luís, "Museu da Baleia da Madeira: preparando o futuro" in Património Baleeiro dos Açores. Herança e Modernidade, Ed. Presidência do Governo Regional dos Açores/Direcção Regional da Cultura, 2011, pp. 88-95.

RODRIGUES PEREIRA, José António, "A baleação no espólio do Museu de Marinha" , ibidem, 2011, pp. 114-117.

 


 

Navios de Cruzeiro

MSC Sinfonia Princess-Danae MSC Lirica MSC Armoria MSC Opera Princess-Daphne Athena MSC Fantasia MSC Melody