Economia

Mensagem do Observatório da Cooperação na Economia do Mar

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

O Observatório da Cooperação na Economia do Mar divulgou no passado dia 21 de Novembro a sua 6ª Mensagem, importante e oportuna como sempre, que a Revista de Marinha divulga com todo o gosto.

Portugal, a nível internacional, tem assumido crescentemente um papel liderante em matérias relacionadas com a governação e proteção dos oceanos. A excelente presença na conferência da ONU sobre os Oceanos, realizada no primeiro semestre do corrente ano, teve continuidade no segundo semestre através da organização, em Lisboa, da Oceans Meeting, com o tema “Saúde dos Oceanos e Saúde Humana”, tendo sido mais um importante marco na contribuição nacional para o esforço global de cooperação no sentido da sustentabilidade do planeta. São de louvar todas as iniciativas de cooperação levadas a cabo por Portugal, que visem valorizar e proteger o mar.

São também de louvar todas as cooperações que trouxeram para Portugal importantes provas e eventos desportivos, de dimensão internacional, nas mais diversas áreas dos desportos náuticos, como a vela ou o surf, entre outros desportos, que, com grande êxito, marcaram a agenda desportiva nacional dos últimos meses. Pela qualidade e regularidade com que se têm realizado, alguns destes eventos são já vistos, pelos Portugueses, como património nacional. Dado que a competição internacional para sediar grandes eventos náuticos é elevada, este observatório alerta para a manutenção e reforço da cooperação, no sentido de se conseguir manter em Portugal todas as provas e eventos que acrescentem valor ao país.

Reconhecendo os méritos de importantes ações que Portugal tem realizado na economia do mar, este observatório, conforme tem assinalado em mensagens anteriores, continua atento a diversos riscos e oportunidades que continuam latentes no mar português.

Em mensagens anteriores, têm vindo a ser abordados temas como a necessidade de realização de reuniões da Comissão Interministerial dos Assuntos do Mar (CIAM), a necessidade de reforço dos meios humanos e materiais das direções da administração pública relacionadas com o mar, a necessidade da passagem intergeracional do saber prático e do desenvolvimento do capital humano das atividades marítimas. Nesta mensagem, consideramos importante acrescentar aspetos relacionados com a necessidade de se viabilizarem, de forma reforçada, as possibilidades de transporte marítimo de pessoas e de abastecimento de bens aos arquipélagos dos Açores e da Madeira e a necessidade de se planear detalhadamente a renovação de importantes frotas marítimas nos setores da pesca, defesa e marinha mercante, cujas elevadas idades médias de alguns navios e embarcações podem vir a colocar sérios riscos de segurança. Todos os temas descritos anteriormente necessitam de meios orçamentais e de cooperação para a concretização de soluções para os desafios existentes.

http://www.pwc.pt/pt/publicacoes/leme/observatorio-cooperacao-na-economia-do-mar.html

O Observatório da Cooperação na Economia do Mar é presidido por António Saraiva e tem como rapporteur Miguel Marques, sócio da PwC. Foi criado em dezembro de 2014 e visa fomentar a cooperação na “economia do mar” através da emissão semestral de uma mensagem sobre este tema. Os 21 membros que compõem o Observatório têm uma profunda experiência das várias atividades e indústrias do mar, conferindo ao Observatório um conhecimento transversal de toda a economia do mar.