Náutica de Recreio

Não há duas sem três

Volvo Ocean Race 2017-2018
Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

Lisboa recebe pela terceira vez a mais prolongada prova desportiva no mundo. A capital do país e o seu rio Tejo assegurou estatuto na vela mundial, sendo a VOR os dos significativos emblemas a reforçar aquilo que os lisboetas há muito pugnam para valorizar o seu plano de águas, a excelência de condições para a prática de desportos náuticos aliada ao magnífico cenário que é o anfiteatro das colinas da cidade até às suas margens.

Volvo Ocean Race
Foto: Jesus Renedo

A primeira etapa

O tiro de largada para a esta edição foi dado a 22 de Outubro em Alicante, com uma opção diferenciada das anteriores edições de seguirem logo rumo à cidade do Cabo, na África do Sul, desta vez o rumo para o final da 1ª etapa foi Lisboa, tendo toda a frota navegado no Atlântico Norte em mar de chancela portuguesa, Porto Santo foi “bóia” de rondagem antes de finalizarem em Pedrouços, Lisboa, o objectivo.

A exemplo da anterior edição são sete as equipas que se apresentaram para esta volta ao mundo de 45000 milhas náuticas, que as navegarão em 11 etapas que aportam em todos os continentes e navegam em todos os oceanos. A última cidade a receber a edição 2017-2018 será Haia na Holanda, a 30 de Junho saber-se-á qual será a tripulação a perpetuar o seu nome no currículo desta prova que outra se apelidou de “Whitbread Round the World Race”.

A 28 de Novembro, após 5.108 milhas náuticas, o skipper Charlie Enright a bordo do barco americano-dinamarquês “Vestas 11th Hour Racing” tornou-se o 1º vencedor desta edição ao chegar à linha de chegada, em 2º o barco espanhol “Mapfre”, em 3º “Dongfeng Race Team” da China, 4º o holandês “AksoNobel”, 5º ”Team Sun Hung Kai/Scallywag”, de Hong Kong, 6º “Team Brunnel”, da Holanda e 7º “Turn the Tide on Plastic”, das Nações Unidas. Todos chegaram no mesmo dia.

Três tripulantes portugueses e um pavilhão português

Volvo Ocean Race
Foto: Jeremie Lecaudey

Nesta 13ª edição para Portugal o sabor da nacionalidade está mais vincado. Três velejadores, António Fonte, Bernardo Freitas e Frederico de Mello serão intervenientes nos resultados pela sua prestação. Há também a salientar a primeira presença de um patrocínio do país que provocou ostentar na popa a bandeira lusitana, é a Fundação Mirpuri que dará nome à regata realizada no Tejo a 3 de Novembro, “The Mirpuri Foundation In-port Race”.

A Race Village em Lisboa

A vila da regata foi inaugurada, inexplicavelmente, só a 31 de Outubro, três dias após os barcos terem aportado a Lisboa, a largada para a 2ª etapa até à cidade do Cabo será domingo 5 de Novembro, Estranho também a realização da regata In-port num dia de trabalho semanal, 3 de Novembro, sexta-feira. Fica a consolação para os apaixonados poderem visitar o “circo” da prova da VOR na Doca de Pedrouços.

Onze etapas que vão ser seguidas pela Revista de Marinha

Volvo Ocean Race
Foto: Jesus Renedo

Recordamos que são 11 as etapas e os pontos em jogo são muitos e forçosamente alterarão a classificação presente, sinal que a emoção fica em aberto, ficando nós Revista de Marinha atentos ao desenrolar da competição que apaixona os verdadeiros estradistas dos oceanos, razão de vos convidar a vierem ao nosso encontro para acompanhar a prova que parece não ter fim.

Nós completaremos o “diário de bordo” da prova conforme os acontecimentos ocorridos.

Faça-nos companhia, gostamos de navegar consigo.

Textos: António Peters

Desportista Náutico e há muito ligado às coisas do mar, foi dirigente da Associação Nacional de Cruzeiros, sendo hoje parte dos seus órgãos sociais. Organizador regular de regatas à vela, é também colaborador e comentador da SportTV para a modalidade Vela. Colabora com a Revista de Marinha para a Náutica de Recreio desde 2011. António Peters não cumpre o novo acordo ortográfico