Marinha de Comércio

Um sobrevivente no Tejo

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

O SACOR II é um sobrevivente.

Apesar da sua jovem idade, pois “nasceu” há pouco mais de cinco anos, já passou por inúmeras dificuldades e contrariedades. Mas sendo filho único, ou seja, o único navio da SACOR MARÍTIMA, SA, e na tradição dos “sobreviventes”, é um trabalhador incansável todos os dias correndo Tejo abaixo, Tejo acima na sua labuta diária como navio tanque para operações portuárias de bunker, vulgarmente conhecido como barcaça de combustível.

O “nascimento” do SACOR II

A sua construção iniciou-se nos ENP-Estaleiros Navais de Peniche em 24 de Abril de 2010 e foi tão demorada e problemática que esteve para ser desmantelado ainda não estava pronto. Teve inclusive “problemas” com a Justiça, pois veio referido no famoso processo judicial “face oculta”. Mas felizmente, ao longo da sua construção, foi possível corrigir os aspetos negativos, concluir a construção estrutural e executar o aprestamento do casco.

O navio fez “provas de mar”, entre fins de novembro a meados de dezembro de 2011, tendo sido aceite pela sociedade classificadora Rinave. Foi entregue ao armador dia 29 de fevereiro de 2012 no porto de Peniche

As características do navio

O SACOR II, tem 75 metros de comprimento (69 metros entre perpendiculares), uma boca de 14 metros e desloca 2.500 tons. A velocidade máxima atingida foram 12,2 nós, sendo a velocidade operacional de 10 nós; apresenta excelente manobrabilidade fruto do efeito conjugado do leme e de dois hélices azimutais. SACOR MARÍTIMA, do.

Relembramos que o seu armador é também ele um sobrevivente, sendo a única empresa que resta da antiga SACOR, que em 1975 foi integrada na Petrogal.

(Fotos de Luís Miguel Correia)

Oficial da Marinha de Guerra. Especializou-se em submarinos, onde navegou cerca de seis anos. Foi representante nacional na NATO para Electronic Warfare e Psychologic Operations. Esteve colocado cerca de sete anos nos Açores onde foi Autoridade Marítima local. Foi colaborador da Revista da Armada, onde ganhou o prémio em 1997.