Nota do Diretor

O 84º aniversário da Revista de Marinha

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

Caros Leitores, Colaboradores e Amigos:

Foi em 31 de janeiro de 1937 que foi publicado o primeiro exemplar da Revista de Marinha, há 84 anos, para ser preciso. Foi um ano curioso, o do lançamento à água da SAGRES, do SANTA MARIA MANUELA e do CREOULA, seu gémeo, da fundação da Radio Renascença, do Arsenal do Alfeite e da Revista do Ar … entre muitas outras efemérides ligadas a diversas entidades ou organismos.

Foram 84 anos de publicação ininterrupta, com fases de maior intensidade (em 1940 publicavam-se 3 revistas por mês); atualmente dizemos “presente” de dois em dois meses, só falhamos quando fui operado em janeiro de 2011, se bem me lembro.

Temos desde 2009 celebrado o aniversário da RM com uma sessão no Clube Militar Naval onde habitualmente entregamos os Prémios “Maurício de Oliveira e “Gabriel Lobo Fialho” e aproveitamos para confraternizar num animado cocktail; este ano não há sessão a 31 de janeiro, infelizmente, mas talvez se possa fazer alguma coisa lá para abril …

Aproveito para felicitar vivamente os premiados, o Alm. Eng.º Balcão Reis, agraciado com o Prémio “Gabriel Lobo Fialho” (2017 – 2019)”, o Alm Engº Gonçalves de Brito, Prémio “Maurício de Oliveira – 2020” e ex-aequo os Alm. Silva Ribeiro e Prof. Doutor Augusto Felício, Menções Honrosas deste último prémio. E muito agradeço ao júri pelo trabalho que vem tendo, de seleção dos premiados, um trabalho cada vez mais difícil, tal a qualidade dos autores! Muito obrigado ao Presidente Cte. Orlando Temes de Oliveira e aos vogais Engº Carlos Seixas da Fonseca, Cte. Joaquim Bertão Saltão, Cte. Joaquim Monteiro Marques e Cte. José António Rodrigues Pereira; bem hajam!

A “nossa” revista está de parabéns! E também a sua “guarnição” ou “tripulação”!  É um trabalho coletivo, de todos nós, que me tem dado muita satisfação, pois julgo que todos em conjunto temos feito algo em prol do Mar Português. Não terá sido muito, mas tem sido o possível. E como aprendemos no remo, o que é preciso é que rememos todos ao mesmo tempo e que o timoneiro ponha a proa no destino que se quer alcançar! Se cada um fizer o que deve no seu pequeno metro quadrado, e se o fizermos de modo coordenado e com a cadência adequada, “picando a voga” quando necessário, chegaremos com certeza a bom porto!

Muito obrigado a todos pelas vossas excelentes colaborações e muito obrigado aos leitores, e aos assinantes e anunciantes, pois sem eles tudo seria muito mais difícil! Conto convosco no decurso deste novo ano da revista!

Com cordiais cumprimentos e um abraço amigo,

 

Henrique Alexandre Da Fonseca

Vice-almirante, licenciado em Ciências Sociais e Políticas (ISCSP, 1972/76). Presentemente, é editor e diretor da "Revista de Marinha" e das “Edições Revista de Marinha”, Presidente da Comissão Consultiva da AESE para a “Economia do Mar”, Presidente do Conselho Supremo da Sociedade Histórica da Independência de Portugal e Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Confraria Marítima de Portugal. É também membro activo da Academia de Marinha, da Cofradia Europea de la Vela, Sociedade de Geografia de Lisboa.

Comentar