Património Cultural Marítimo

A Grande Regata de Barcos Moliceiros

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

Antes da regata, decorreu na Praia do Monte Branco o já habitual concurso de painéis dos moliceiros, pintados pelo mestre pintor José Oliveira.

Organizada pela Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro, e integrada no “Ria de Aveiro Weekend”, teve lugar no passado sábado 3 de julho, a Grande Regata de Barcos Moliceiros, que liga a praia do Monte Branco, na Torreira, concelho da Murtosa, à cidade de Aveiro, no canal das pirâmides, junto à marinha de sal da Troncalhada.

Pela manhã, antes da regata deste sábado, decorreu na Praia do Monte Branco o já habitual concurso de painéis dos moliceiros, pintados pelo mestre pintor José Oliveira.

Pela manhã, o júri do Concurso de painéis apreciou os vários trabalhos em prova (imagem Etelvina Almeida)
Pela manhã, o júri do Concurso de painéis apreciou os vários trabalhos em prova (imagem Etelvina Almeida)
O painel da embarcação A. RENDEIRO foi o vencedor com um desenho alusivo à pandemia e legenda: "NÃO QUISESTE SER VACINADO? ...ENTÃO SOMOS 2" (imagem Etelvina Almeida)
O painel da embarcação A. RENDEIRO foi o vencedor com um desenho alusivo à pandemia e legenda: “NÃO QUISESTE SER VACINADO? …ENTÃO SOMOS 2” (imagem Etelvina Almeida)

A regata possibilitou aos fotógrafos capturar imagens extraordinárias, das quais trazemos algumas aos nossos leitores.

A largada (imagem João Cruz)
A largada (imagem João Cruz)
Moliceiro a navegar com o vento pela popa a encher o pano e com as tostes dentro. (imagem José Mariano)
Moliceiro a navegar com o vento pela popa a encher o pano e com as tostes dentro. (imagem José Mariano)
Primeiros minutos da prova (imagem Isabel Almeida)
Primeiros minutos da prova (imagem Isabel Almeida)

Na regata deste ano, que teve a duração aproximada de 1h30m, com partida às 14:30h, participaram 9 moliceiros com as medidas tradicionais e 2 réplicas, de menores dimensões, sendo que apenas um dos moliceiros não era originário da Murtosa.

O moliceiro vencedor foi Marco Silva, da Torreira, cujo proprietário, com o mesmo nome, foi também o seu construtor, somando a sua já oitava vitória. Para além de possuir uma companha de pesca de arte xávega da praia da Torreira, Marco Silva é um exímio artesão de embarcações de madeira tradicional tendo já saído das suas mãos muitos moliceiros, xávegas e bateiras.

Em segundo lugar, a uma curta distância do vencedor, ficou a embarcação de nome Zé Rito, propriedade do arrais José Rito, vencedor do ano passado, também ele carpinteiro naval e construtor de embarcações no museu estaleiro do Monte Branco, na Torreira, bem como pescador da comunidade local.

Participantes e organização em Aveiro após entrega dos prémios. (imagem Etelvina Almeida)
Participantes e organização em Aveiro após entrega dos prémios. (imagem Etelvina Almeida)

A classificação final foi a seguinte:

Classe A (barcos com as medidas tradicionais)

1º – “MARCO SILVA”

2º – “ZÉ RITO”

3º – “O CONQUISTADOR”

4º – “CÂMARA MUNICIPAL DA MURTOSA”

5º – “FERREIRA NUNES”

6ª – “A. RENDEIRO”

7º- “UM SONHO”

8º – “O PRESIDENTE”

9º “S.SALVADOR”

 

Classe B (barcos de menores dimensões)

1º – “O PEQUENITO”

2º – “SEMAR

 

CLASSIFICAÇÃO DO CONCURSO DE PAINÉIS DOS BARCOS MOLICEIROS

1º – “A. RENDEIRO”

2º – “MARCO SILVA”

3º – “UM SONHO”

4º – “S.SALVADOR”

5º – “SERMAR

Esta foi a primeira das três regatas anuais de moliceiros, que navegam à vela na sua conceção tradicional, seguindo-se, em agosto, as regatas da Festa do Emigrante, no Bico, e em setembro, as da Romaria de São Paio, na Torreira, ambas nas águas da Murtosa e com organização do Município, de onde são oriundos praticamente todos tripulantes, barcos e construtores.

João Dias Cruz

Oficial da Armada, fez várias comissões em unidades navais. Mais tarde, optou por seguir um percurso civil, primeiro como responsável pela Divisão Administrativa e Financeira na Administração Porto de Aveiro e atualmente como responsável pelo Sistema de Gestão da Qualidade do grupo CMM - Centros Médicos e Reabilitação. Cidadão ativo da sociedade local, é desde 1996, presidente da direção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Murtosa e, desde 2017, presidente da direção da Associação de Fotografia e Artes Visuais da Murtosa. Na fotografia já ganhou alguns prémios nacionais e um internacional de grande prestígio patrocinado pela UNESCO. Durante 3 anos fez parte da tripulação de um barco moliceiro da Murtosa, sendo um apaixonado por todos os aspetos relacionados com a embarcação tradicional da Ria de Aveiro.

Comentar