Categoria

Despacho 100

Categoria

O paquete PRÍNCIPE PERFEITO foi o maior navio de passageiros da Companhia Nacional de Navegação (CNN), e destinou-se à carreira de África, que registou um aumento continuado de procura no decorrer da década de 50 do século passado.

O Despacho 100 considerou as necessidades de transporte de passageiros nas linhas de África de forma conservadora, supondo um desenvolvimento rápido da aviação comercial a seguir à II Grande Guerra, mas tal perspetiva não se concretizou, pelo que o Ministro Américo Tomás recomendou logo em 1951, no seu Despacho n.º 89/51

a construção de mais dois paquetes (…) semelhantes entre si, mais rápidos do que qualquer dos quatro atualmente em serviço na carreira de Moçambique, com capacidade para maior número de passageiros.

Era já o conceito que dez anos depois se iria materializar no PRÍNCIPE PERFEITO e no INFANTE DOM HENRIQUE. Os armadores (CNN e CCN) resistiram inicialmente à ideia e tentaram dourar a pílula com dois navios mistos mais baratos, o UÍGE (1954) e o NIASSA (1955), sem que o problema se resolvesse. Tanto o PRÍNCIPE como o INFANTE acabaram por só navegar até 1975. Deviam ter sido feitos logo em 1951.

Destes navios, assim como de tantos outros, resta a memória, que procuro dignificar com artigos e livros, a que me tenho dedicado. Quanto ao PRÍNCIPE PERFEITO, foi uma obra-prima da engenharia naval portuguesa: o seu criador era na altura um jovem Oficial de Marinha, Engenheiro Construtor Naval, Rogério de Oliveira. O Senhor Almirante Rogério de Oliveira deu-nos o PRÍNCIPE PERFEITO, o FUNCHAL, as corvetas, as caravelas e uma série de outros navios que honraram a nossa bandeira nos mares como nenhum outro do século XX fez em Portugal; reinventou outro Oliveira com uma «Fábrica das Naus» moderna. Rogério de Oliveira[1] completou 99 anos neste dia 15 de outubro, em que escrevo estas linhas, para recordar o paquete, mas também para o homenagear e agradecer.

No dia 22 de setembro de 1960 houve festa em Newcastle. Nesse dia, nos estaleiros Swan Hunter era lançado à água o PRÍNCIPE PERFEITO, na altura o navio de passageiros mais caro exportado por Inglaterra para um país estrangeiro. (imagem coleção Luís Miguel Correia, todos os direitos reservados) Despacho 100
No dia 22 de setembro de 1960 houve festa em Newcastle. Nesse dia, nos estaleiros Swan Hunter era lançado à água o PRÍNCIPE PERFEITO, na altura o navio de passageiros mais caro exportado por Inglaterra para um país estrangeiro. (imagem coleção Luís Miguel Correia, todos os direitos reservados)

 

N/T PRÍNCIPE PERFEITO 1961-1976

Características técnicas:

Navio de passageiros a turbinas a vapor, construído de aço, em 1959-1961. N.º Lloyd´s: 5285045. N.º oficial: H 476; indicativo de chamada: CSBL. Porto de registo: Lisboa (registado na Capitania do Porto de Lisboa a 23-06-1961, livro 18, folha 29). Arqueação bruta: 19.393 tons; Arqueação líquida: 10.608 tons. Porte bruto: 8.600 tons. Deslocamento leve / máx: 11.600 / 20.200 tons. Capacidade de carga: 4 porões para 10.472 m3 de carga geral, incluindo 628 m3 de carga frigorífica. Comprimento ff.: 190,43 m; Comprimento pp.: 173,74 m; Boca: 23,96 m; Pontal: 16,07 m; Calado: 7,77 m. Máquinas: 2 grupos de turbinas a vapor Pametrada, com 21.000 shp a 120 rpm (máx. 24.270 shp a 128 rpm), 2 hélices de 4 pás. Velocidade: 21 nós. Consumo de combustível: 150 tons de IFO / 24 h. Passageiros: 1.000 (200 – 1ª, 264 em turística A, 536 em turística B) Tripulantes: 319. Custo: £ 5.915.000, cerca de 500 mil contos.

História:

O PRÍNCIPE PERFEITO foi construído no estaleiro Neptune em Newcastle-upon-Tyne, Inglaterra, por Swan Hunter & Higham Richardson, Ltd., (construção nº 1974), por encomenda da CNN, autorizada para o efeito pelo Governo (Despacho n.º 88, de 6-04-1956, do Ministro Américo Thomaz). O contrato com o estaleiro construtor seria assinado a 18-07-1957. Pelo Despacho n.º 72, de 6-03-1958, o Ministro da Marinha propôs o nome “Príncipe Perfeito”, no âmbito das comemorações Henriquinas (1960), sugestão seguida pela CNN. A 12-08-1959 procedeu-se ao assentamento da quilha e o lançamento à água decorreu a 22-09-1960, sendo madrinha Dª. Ana Mafalda Guimarães José de Mello. O PRÍNCIPE PERFEITO efetuou as provas de mar de 17 a 18-05-1961 e foi entregue ao armador a 31-05-1961, largando a 1-06 de Newcastle para Lisboa, onde entrou pela primeira vez a 4-06 sob o comando do Capitão M.M. José Cima Barreiros. A 22-06, foi visitado oficialmente pelo Presidente da República, Almirante Américo Thomaz.

No dia 31 de Maio de 1962, data do primeiro aniversário do navio, os oficiais juntaram-se numa "foto de família". Ao centro comandante do navio, Capitão da MM José Cimas Barreiro. (imagem coleção Luís Miguel Correia, todos os direitos reservados)
No dia 31 de Maio de 1962, data do primeiro aniversário do navio, os oficiais juntaram-se numa “foto de família”. Ao centro comandante do navio, Capitão da MM José Cimas Barreiro. (imagem coleção Luís Miguel Correia, todos os direitos reservados)

Saiu de Lisboa em viagem inaugural a África a 27-06-1961, fazendo escalas no Funchal, São Tomé, Luanda, Lobito, Moçâmedes, Cape Town, Lourenço Marques, Beira e Moçambique.

O PRÍNCIPE PERFEITO fez o seu primeiro cruzeiro de 29-06 a 3-07-1962, (Lisboa – Funchal – Lisboa, fretado à Agência Europeia, de Lisboa). De 19 a 30-10-1962: cruzeiro de Lisboa ao Mediterrâneo. De 29-12-1962 a 2-01-1963: cruzeiro de Fim de Ano ao Funchal.

A 6-07-1964, o PRÍNCIPE PERFEITO saiu de Lisboa conduzindo o Presidente Américo Thomaz em viagem oficial a Moçambique (Escala no Funchal de 7 a 8-07 tendo o Presidente inaugurado o aeroporto de Santa Catarina. Escalas em Luanda e Lobito, tendo chegado a Lourenço Marques a 23-07, quando o navio presidencial inaugurou a nova Barra Norte e o canal da Xefina). A 9-08-1964 o Presidente reembarcou no PRÍNCIPE PERFEITO em Luanda, de regresso a Lisboa, com escalas pelo Príncipe (11-08) e Funchal (18-08), e desembarcou no Terreiro do Paço em 19-08.

A 23-06-1967 o PRÍNCIPE PERFEITO participou na inauguração do estaleiro da Lisnave na Margueira. De 12-1971 a 01-1974, o PRÍNCIPE PERFEITO foi utilizado em diversos cruzeiros no Índico, com saídas de Durban.

23 de Julho de 1964, o Presidente da República a desembarcar do PRÍNCIPE PERFEITO em Lourenço Marques. (fotograma do filme da Cinemateca Portuguesa)
23 de Julho de 1964, o Presidente da República a desembarcar do PRÍNCIPE PERFEITO em Lourenço Marques. (fotograma do filme da Cinemateca Portuguesa)

De 31-07 a 14-08-1971, cruzeiro ao Mediterrâneo. De 03-08 a 25-09-1972, dois cruzeiros de 26 dias à América do Norte.

Três cruzeiros no Índico com partidas de Durban, de 3-09-1972 a 13-01-1973. De 3-08 a 1-09-1973: cruzeiro ao México. De 12-1973 a 01-1974, últimos cruzeiros no Índico com partidas de Durban. De 29-01 a 24-5-1974 o PRÍNCIPE PERFEITO permaneceu em Lisboa, aguardando a atribuição de um subsídio que permitisse o regresso à carreira de África. A 24-05-1974 retomou as viagens regulares a Angola. De 21-05 a 14-06-1975 efetuou a viagem final, a Angola, após o que permaneceu imobilizado em Lisboa até 20-04-1976, quando largou para Newcastle. Em 07-1975 foi utilizado pelo IARN – Instituto de Apoio ao Retorno de Nacionais para alojamento de retornados de África.

Vendido a 8-04-1976 à companhia Far Eastern Shipping, Ltd (Global Transportation Inc.), Panamá, passando a chamar-se AL HASA, e foi convertido para navio-alojamento (820 pax), em Newcastle, por Swan Hunter Shiprepairs. Registo português cancelado a 2-06-1976.

De 1961 a 1975 o PRÍNCIPE PERFEITO completou 71 viagens à África Oriental, 36 a Angola e 17 cruzeiros a partir de Lisboa, transportou 219.666 passageiros (1.066.614 contos em passagens), e 420.486 T de carga (443.814 contos em fretes).

Postal do paquete PRÍNCIPE PERFEITO, editado pela Companhia Nacional de Navegação, com a particularidade de apresentar o selo dos correios de Angola, com este paquete e o INFANTE DOM HENRIQUE. (imagem coleção Luís Miguel Correia, todos os direitos reservados)
Postal do paquete PRÍNCIPE PERFEITO, editado pela Companhia Nacional de Navegação, com a particularidade de apresentar o selo dos correios de Angola, com este paquete e o INFANTE DOM HENRIQUE. (imagem coleção Luís Miguel Correia, todos os direitos reservados)

A 14-06-1976 largou de Newcastle para Damman, onde serviu de alojamento a estivadores durante 3 anos.

Em 04-1979 o AL HASA foi comprado pela companhia Fairline Shipping Corporation (Sitmar Cruises, Mónaco), passando a chamar-se FAIRSKY. Em 06-1979 a Sitmar Cruises anunciou que o FAIRSKY seria transformado em navio de cruzeiros para 880 passageiros e 470 tripulantes, com entrada ao serviço no início de 1981. Para o efeito foi assinado um contrato com os Astilleros Espanoles devendo o navio ser reconstruido em Barcelona por 45 milhões USD. Infelizmente este estaleiro denunciou o contrato, alegando erro de estimativa nos custos. O navio foi imobilizado em Iteia, Grécia, a 20-01-1980, passando a chamar-se VERA.

Em 1981 o navio foi vendido à Sappho Shipping & Trading Corporation S. A., Panamá (armador John S. Latsis), passando a chamar-se MARIANNA IX (registo panamiano), a 30-06-1982 chegou a Jeddah para servir de navio-alojamento e a 30-12-1982 foi transferido para Rabegh.

Em 1984 alterou o nome para MARIANNA 9, registado na Grécia. A 27-09-1986 chegou a Kalamata ido de Rabegh, para alojar vítimas de um terramoto. A 4-03-1988 saiu do Pireu para Jeddah (13-03) e Rabegh (31-03).

Terminado o serviço na Arábia, o navio foi imobilizado no Pireu, a 30-12-1992. Em 1995 serviu de alojamento a vítimas de outro terramoto, em Aegion, até 14-10-1995. Imobilizado de novo, foi colocado à venda em 1998, indo para sucata em 2001. Chegou a Alang, Índia, a 8-06-2001 e foi desmantelado pela firma Goyal Traders.

Em Alang, em 2001, sendo desmantelado como MARIANNA 9 (imagem retirada de http://faroefaro.blogspot.com/)
Em Alang, em 2001, sendo desmantelado como MARIANNA 9 (imagem retirada de http://faroefaro.blogspot.com/)

[1] N.R. O Contra-almirante ECN Rogério Silva Duarte Geral d’Oliveira faleceu no dia 7 de janeiro de 2021. Este artigo foi originalmente publicado na edição impressa nº1018, novembro/dezembro de 2020.