Category

Outros temas

Category

O comandante é a segunda pessoa, logo abaixo de Deus, a bordo do seu navio.

Por imperícia, ou apenas por falta de sorte, não consegui encontrar na literatura consultada qualquer registo fiável que permita certificar este estatuto, sem a colaboração do luxuriante imaginário náutico.

Mas não é por isto que aquela representação deixa de ser menos real, acabando por coroar uma série de atributos conferidos à figura do comandante.

comando no mar, comandante, marinha, navio, hierarquia, artur pires, uss carl vinson
O Comandante do porta-aviões USS CARL VINSON (CVN-70), capitão-de-mar-e-guerra Doug Veríssimo, na ponte do seu navio, durante uma delicada operação de reabastecimento com o petroleiro USNS YUKON (T-AO 202). Oceano Pacífico, janeiro de 2017 (foto US Navy, Daniel Jackson Norgart)

De entre estes, destaco o da sua imprescindibilidade. Nem mais; e colocadas as coisas nestes termos, continuamos a rondar a esfera do divino.

A imprescindibilidade do comandante a bordo, assentava no facto de que em muitas ocasiões ele era a única pessoa ali, capaz de fazer regressar o navio e a tripulação a terra. Leia-se a casa.

Era o único que sabia pressentir nos sinais do horizonte, no aspeto do mar, e na configuração da abóbada celeste, os cuidados a tomar; que sabia escolher os melhores panos, e sobretudo que sabia ler as cartas náuticas, e discernir nelas a única rota que conduzia à salvação.

Com isto, o comandante só ia pela borda fora, quando para além de déspota era incompetente.

Leitor assíduo de relatos marítimos, de Ulisses a Corto Maltese, sempre me intriguei com a capacidade das tripulações em aguentarem o trato desumano por parte dos seus comandantes, e pese embora a sombra sinistra da forca estivesse sempre presente nos conveses, a lembrar aos candidatos a amotinados o código de disciplina rigorosíssimo.

comando no mar, comandante, marinha, navio, hierarquia, artur pires, corto maltese, hugo pratt
Corto Maltese é uma personagem de ficção, criada pelo autor de banda desenhada italiano Hugo Pratt.

Julgo que a possibilidade de regresso final ao porto de partida, viabilizava a tirania. Era preferível regressar com as costas riscadas pela ponta do chicote, do que perecer no mar, ignaro do rumo certo.

O terror vivido a bordo ficou imortalizado em diversos formatos. Na literatura, por exemplo, na viagem trágica do Ghost, sob o comando de Wolf Larsen, no relato magistral que Jack London escreveu em 1904, no Lobo do Mar.

comando no mar, comandante, marinha, navio, hierarquia, artur pires, castigos corporais,
Um marinheiro, despido da cintura para cima, amarrado a uma escada sendo flagelado com chicote, enquanto quatro outros marinheiros esperam a sua vez para o flagelar. (gravação em madeira de W.R. )

E no cinema, na Revolta na Bounty, claro, realizado em 1962 por Lewis Milestone, com Marlon Brando no papel do Tenente Christian e Trevor Howard no de Capitão Bligh, ou ainda melhor, na versão a preto e branco de 1935, de Frank Lloyd, e onde aqueles papeis são desempenhados respetivamente por Clark Gable, e (o insuperável) Charles Laughton.

Aquela imprescindibilidade não volta a colocar-se, salvo algumas excepções, nas restantes profissões, empresas e empreendimentos, onde a ausência dos líderes e das suas equipas, por vezes nem se faz notar, ficando aquelas, quando tal acontece, a funcionar imperturbavelmente. E não raras vezes, melhor.

Actualmente, as novas tecnologias de navegação, de telecomunicações, e de gestão das tripulações, altamente preparadas, diluíram significativamente, não a importância, mas a imprescindibilidade do comandante.

Aliás, já não pertence ao domínio da ficção científica a existência de embarcações (a navegar!) que prescindem não apenas do comandante, mas pura e simplesmente de toda a tripulação. Deus inclusive, e a crer no estado de tantas coisas no mundo.

comando no mar, comandante, marinha, navio, hierarquia, artur pires, porto de viana do castelo
Bela imagem do porto de Viana do Castelo (foto Alfbel – Pixabay)

Mas noutro tempo, tive a sorte de conhecer no porto de Viana do Castelo, no cenário lindíssimo que bordeja a marginal que conduz à área portuária, onde se encontra a maravilhosa fauna marítima típica de todos os portos, e as agências de navegação, que encerram o escritório à hora a que os seus colegas da sucursal da agência, no outro lado do mundo, estão a abri-lo, conheci aí, um legítimo comandante, à procura de navio, e que distribuía para este fim, com generosidade, por entre as mesas dos bares e as rodadas de bebida, um cartão, onde por debaixo do seu nome, sem o menor sinal de blasfémia, se podia ler:

O imediato de Deus