Património Cultural Marítimo

Finalmente! Vamos salvar o ARGUS!

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

A Câmara Municipal de Ílhavo e a empresa Pascoal & Filhos, SA assinaram, hoje, um Protocolo de Doação, ao Município, do lugre ARGUS. Este é um importante marco que permitirá dar início ao processo de reabilitação desta emblemática embarcação, ícone da história portuguesa da Pesca do Bacalhau, com o objetivo de a transformar num equipamento museológico, a implementar no Jardim Oudinot, na Gafanha da Nazaré, cidade bacalhoeira do Município.

Com a formalização deste acordo, a reconhecida empresa transfere o ARGUS para propriedade do Município de Ílhavo, cabendo à Câmara Municipal a responsabilidade de encontrar, no âmbito do Quadro Comunitário Portugal 2030, que valoriza a intervenção na recuperação do património, o financiamento necessário para a sua recuperação, o projeto de reabilitação museológica, a integração do navio no espaço público do Jardim Oudinot, num investimento estimado em cerca de 4 milhões de euros.

Fernando Caçoilo, edil de Ílhavo, e Aníbal Paião, administrador da Pascoal & Filhos, Lda, formalizando o protocolo entre as duas entidades. (imagem CM Ílhavo)
Fernando Caçoilo, edil de Ílhavo, e Aníbal Paião, administrador da Pascoal & Filhos, Lda, formalizando o protocolo entre as duas entidades. (imagem CM Ílhavo)

A opção de transformar a embarcação bacalhoeira em espaço museológico é justificada pelo Presidente da Câmara Municipal de Ílhavo, Fernando Caçoilo,

por razões técnicas que sustentam as obras de recuperação do navio e a impossibilidade de voltar a navegar face ao seu estado de degradação, pela componente financeira avaliada a relação custo/benefício e o diferencial de investimento para uma utópica recuperação que permitisse a sua navegabilidade, pela ausência de dimensão e de escala que permitisse um retorno do investimento, agravado pelos encargos consequentes com a manutenção. Deste modo, entre o abate ou a sua recuperação, mesmo que não navegável, o lugre bacalhoeiro ARGUS irá integrar, em seco, o espaço público do Jardim Oudinot, enquadrado com o Navio-Museu SANTO ANDRÉ, também ele representativo da história da pesca do bacalhau, sendo transformado num equipamento museológico, visitável, que promova a identidade histórica e as potencialidades turísticas do Município.

Fernando Caçoilo, a bordo do ARGUS, apresentou o projeto para o Navio-Museu ARGUS (imagem CM Ílhavo)
Fernando Caçoilo, a bordo do ARGUS, apresentou o projeto para o Navio-Museu ARGUS (imagem CM Ílhavo)

O Protocolo, que espelha a importância e a mais valia de uma eficaz parceria público-privada que promove o desenvolvimento territorial, permitirá enriquecer o já elevado património histórico que representa a identidade das gentes e história do Município de Ílhavo, que tem como lema “O mar por tradição” e é, assumidamente, a “Capital Portuguesa do Bacalhau”. Deste modo, o ARGUS juntar-se-á aos expoentes máximos da promoção e divulgação da maritimidade ilhavense, como o Museu Marítimo de Ílhavo, o Navio Museu SANTO ANDRÉ ou o, praticamente concluído, Centro para a Valorização da Religiosidade do Mar.

Estes equipamentos, agora valorizados com este ícone da “frota branca” da Pesca do Bacalhau, cumprem o propósito de honrar as várias dimensões da Faina Maior, do seu processamento, comercialização e confeção, símbolos maiores da identidade de Ílhavo e da região, da sua economia, da sua história, das suas gentes e das suas tradições.

A Câmara Municipal, na sua qualidade de defensora e promotora dos valores identitários do seu território, dá um importante passo na afirmação de uma identificação coletiva sustentada nas particularidades histórico-culturais do território, assim como na singularidade do património natural ou da sua atividade económica, fundamental para valorizar a história de vida dos cidadãos num determinado lugar e tempo.

ARGUS na sua versão original, com o casco cor sangue de boi, durante as provas de mar na Holanda em 1939 (Coleção Luís Miguel Correia)
ARGUS na sua versão original, com o casco cor sangue de boi, durante as provas de mar na Holanda em 1939 (Coleção Luís Miguel Correia)

O ARGUS

O lugre, em estado muito avançado de degradação e atualmente amarrado no Cais dos Bacalhoeiros, na Gafanha da Nazaré, constitui um valioso ativo do património cultural ilhavense que a autarquia tem o maior interesse em gerir, cuidar e partilhar, enquanto agente promotor da cultura, da história e da vocação marítima dos verdadeiros heróis do mar, que foram os homens de Ílhavo que dedicaram as suas vidas à faina da pesca do bacalhau à linha, nos dóris, essas minúsculas embarcações de trabalho individual, com que, no dia a dia e partindo dos lugres bacalhoeiros, enfrentavam as gélidas águas dos mares da Terra Nova e Gronelândia na captura do “fiel amigo”;

De entre os navios que, construídos, armados e/ou tripulados por gerações e gerações de ilhavenses, se fizeram ao mar para pescar o fiel amigo nos mares da Terra Nova e da Gronelândia, o mítico veleiro ARGUS é um “irmão mais novo” (e uma versão tecnicamente mais desenvolvida) dos icónicos CREOULA e SANTA MARIA MANUELA, expoentes máximos da arquitetura naval que concebeu e construiu da frota bacalhoeira portuguesa à vela, a chamada “Frota Branca”, por ser branca a cor que distinguia as embarcações portuguesas envolvidas nesta tão nobre, como épica e trágica atividade profissional;

Finalmente! Vamos salvar o ARGUS! 16
O ARGUS, da frota branca, atracado em St. John’s, na Terra Nova (imagem MM Ílhavo)

O ARGUS, construído na Holanda, em 1939 e que foi, na sua época, o navio almirante daquela Frota Branca, converteu-se na principal personagem de um clássico da literatura marítima mundial, “A Campanha do Argus” (no original “The Quest for Schooner ARGUS“) de Alan Villiers, um oficial da armada australiana, que dedicou uma parte significativa da sua vida a imortalizar os mais relevantes patrimónios náuticos que cruzaram os mares;

Com efeito, em 1950 e a convite de Pedro Teotónio Pereira, embaixador português em Washington, Alain Villiers, à época um conceituado articulista da National Geografic Magazine, embarcou no veleiro ARGUS, comandado pelo capitão ilhavense Adolfo Simões Paião Júnior, e, durante cinco meses, viu e registou em livro a dureza da “faina maior”, a pesca do bacalhau à linha por “homens de ferro, em navios de madeira”, a última grande atividade económica que fazia uso da navegação à vela para viagens transoceânicas, livro esse que constitui ainda hoje um dos grandes clássicos da literatura marítima mundial;

Exemplar do livro "The quest for the schoooner ARGUS", com dedicatória de Gago Coutinho, Natal de 1957 (Levy Leiloeiros RJ, Brasil)
Exemplar do livro “The quest for the schoooner ARGUS”, com dedicatória de Gago Coutinho, Natal de 1957 (Levy Leiloeiros RJ, Brasil)

Importa registar e sublinhar a curiosa circunstância de, durante a sua vida ativa ao serviço da faina maior da pesca do bacalhau, o ARGUS ter sido sempre comandado por ilustres lobos do mar ilhavenses, a saber:

Capitão Aníbal Pereira Ramalheira (1939);

Capitão Adolfo Simões Paião Júnior (1939/1940 e1944/1957);

Capitão João Pereira Ramalheira (Vitorino) (1941/1943);

Capitão Francisco da Silva Paião (Almeida) (1958/1968) e

Capitão José Luís Oliveira (Codim) (1969/1970 última viagem).

A projeção internacional do referido livro foi tal que teve tradução em mais de uma dezena de línguas.

Dessa viagem única que fez, de Lisboa aos bancos de pesca da Terra Nova, Villiers compôs um tríptico que correu mundo: para além do referido livro (com edição original em inglês, em 1951, e tradução portuguesa meses depois), fez também um filme e um magnífico álbum de fotografias, todos muito conhecidos e respeitados pela vasta comunidade de estudiosos dos assuntos do mar;

Depois de percorrer um atribulado, longo, fascinante e, também por isso, a todos os títulos notável, caminho de pesquisa e negociação, a Pascoal & Filhos, SA, resgatou o ARGUS (atualmente denominado POLYNÉSIA II) das águas cálidas do Caribe, onde, em Aruba, acabou os seus dias como embarcação dedicada a pequenos cruzeiros turísticos;

O POLYNESIA II fundeado nas Caraíbas (Coleção Luís Miguel Correia)
O POLYNESIA II fundeado nas Caraíbas (Coleção Luís Miguel Correia)

A Pascoal & Filhos, SA

A Pascoal & Filhos, SA é uma empresa ilhavense de referência no setor alimentar, fundada em 1937 e que começou a sua atividade exercendo a pesca do bacalhau e sua comercialização em seco, tendo sempre acompanhado com particular atenção e soluções criativas as dinâmicas da sua atividade principal e as exigências do mercado de consumo.

Depositária de muitos saberes, fiel herdeira de um rico legado construído sobre as águas frias dos mares da Terra Nova, e consciente da importância desse legado histórico e cultural, sobre o qual construiu uma história de reconhecido sucesso, a Pascoal & Filhos alargou a sua área de negócio ao Turismo cultural de vocação marítima adquirindo e dinamizando o antigo navio bacalhoeiro Santa Maria Manuela.

Mais tarde tornou-se dona e legítima possuidora do referido lugre ARGUS, um ex-navio, com o número oficial IMO 5023564, atualmente denominado POLYNÉSIA II, cujo registo foi cancelado com efeitos a 29 de junho de 2009 e que adquiriu, em 22 de janeiro de 2009, à sociedade Windjammer Barefoot Cruises, com sede em Miami Beach, Flórida, nos Estados Unidos da América.

A referida embarcação foi desalfandegada, em 25 de setembro de 2009, na Alfandega de Aveiro no âmbito de um processo de desalfandegamento / importação, cuja tramitação aduaneira foi realizada a coberto do DU (Documento Único) com a referência nº 285/2009, tendo como destinatário a referida Pascoal & Filhos, SA.

O POLYNESIA II, em 2009, atracado no
O POLYNESIA II, em 2009, atracado no cais dos bacalhoeiros, na Gafanha da Nazaré (blog Roda_do_leme)

A política de mecenato cultural da Empresa concede prioridade às realizações culturais na área da faina e tradição marítimas, pelo que a empresa, no âmbito dessa política de mecenato artístico e cultural, está disponível para promover a cedência da referida embarcação, no estado em que se encontra, à Câmara Municipal de Ílhavo para que esta possa promover a sua recuperação/reabilitação para os fins que entender mais adequados à prossecução dos seus objetivos de promover a história da pesca do bacalhau à linha nos mares da Terra Nova e honrar o exemplo de vida de todos os seus munícipes que se dedicaram a essa tão nobre como trágica e esgotante atividade;

A Pascoal & Filhos, SA está igualmente disponível para colaborar com o Município de Ílhavo na busca de parcerias particulares ou institucionais que possam contribuir para financiar os encargos com a reparação do navio e a sua adaptação aos fins museológico e/ou de visitação a que se destina.

Imagem previsão da instalação do ARGUS no Jardim Odinot, na Gafanha da Nazaré (imagem CM Ílhavo)
Imagem previsão da instalação do ARGUS no Jardim Odinot, na Gafanha da Nazaré (imagem CM Ílhavo)

(Fonte CM Ílhavo)

1 Comentário

  1. António Balcão Reis Responder

    Mais um interessante artigo,

    É pena ver o navio “encalhado” num jardim, mas há que ser pragmático e avaliar das possibilidades e alternativas.

    Parabéns à Pascoal & Filhos e à CM Ílhavo

Comentar