Ambiente

Jovens portuguesas ganham prémio UNESCO-PRADA

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

Três alunas portuguesas do 8º ano do Agrupamento de Escolas de Vialonga venceram o Projeto Educacional Internacional SEA BEYOND, um projeto de Literacia do Oceano, onde também participaram escolas de todo o mundo.

As jovens foram felicitadas publicamente pelo governo português através dum Tweet do Ministério do Mar.

O SEA BEYOND é um projeto piloto de Literacia do Oceano dedicado a conscientizar os jovens sobre o oceano e a educar as novas gerações sobre a adoção de comportamentos mais responsáveis ​​e conscientes, em relação ao oceano e seus recursos, promovendo um consumo sustentável.

Criado pela UNESCO-IOC (Intergovernmental Oceanographic Commission) e o Grupo PRADA, o programa educativo estava estruturado em quatro sessões temáticas:

  1. O Oceano e os seus processos
  2. O problema dos plásticos nos Oceanos
  3. A Economia Circular
  4. A campanha de sensibilização

O Agrupamento de Escolas da Vialonga faz parte do programa ESCOLA AZUL, através do qual receberam o convite dirigido às escolas da Grande Lisboa, uma das dez cidades de todo o mundo, de Berlim e Londres, a Nova York e Xangai que participaram no projeto.

Jovens participantes do Agrupamento de escolas da Vialonga (cortesia Prada e UNESCO)
Jovens participantes do Agrupamento de escolas da Vialonga (cortesia Prada e UNESCO)

A primeira fase do SEA BEYOND decorreu de outubro de 2020 a janeiro de 2021, e contou com a participação de professores do ensino médio, em webinars de desenvolvimento de módulos conduzidos por especialistas da UNESCO-IOC.  As escolas participantes receberam Kits de ferramentas, em cartão reciclado, contendo materiais educacionais e criativos. Na segunda fase, os alunos (ou “embaixadores do mar”) foram convidados a participar numa competição internacional de campanhas de conscientização para a sustentabilidade do oceano.

A professora Paula Martins e as alunas da equipa vencedora
A professora Paula Martins e as alunas da equipa vencedora
A professora Paula Martins foi a responsável pela implementação do projeto. Ela e os seus alunos tiveram de trabalhar via internet, o que constituiu um desafio enorme, dadas as dificuldades de comunicação geradas não só pela dificuldade em manter a atenção dos alunos, como também pelos diferentes níveis e qualidade de comunicação.
Imagem do filme que ganhou o projeto (cortesia Prada e UNESCO)
Imagem do filme que ganhou o projeto (cortesia Prada e UNESCO)

O vídeo da campanha pretende alertar o público alvo para o papel que cada pessoa pode desempenhar na diminuição dos plásticos dos oceanos. Além de não poluírem o Oceano, com objetos que possam lançar, deverão recolher o plástico que vem nas redes. Esta recolha poderá permitir estabelecer parcerias com a indústria têxtil, o que aumenta o seu rendimento e promove a Economia Circular.

A campanha vencedora foi anunciada durante um evento virtual, por um júri internacional que incluiu Lorenzo Bertelli, Chefe de Responsabilidade Social Corporativa do Grupo Prada; Vladimir Ryabinin, Secretário Executivo da Comissão Oceanográfica Intergovernamental; Fabien Cousteau, Diretor-Geral Adjunto da UNESCO, aquanauta, explorador oceanográfico e defensor do meio ambiente; e o escritor Alessandro Baricco, entre outros.

A campanha concebida pelos alunos da Escola da Vialonga será promovida nas redes sociais, bem como nos sites da PRADA e da UNESCO, enquanto a escola receberá 5.000€ para investir em material educacional.

A Revista de Marinha endereça os parabéns à Prof. Paula Martins e às alunas Leonor Castro, Mariana Pacheco e Iris Atende, e também à equipa do Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade, de Almada, que também participou neste projeto.

Assista aqui ao vídeo do anúncio da equipa vencedora, com entrevista à Professora Paula Martins.

João Gonçalves

Oficial da Armada. Especializou-se em submarinos, onde navegou durante seis anos nos navios da classe ALBACORA. Esteve colocado cerca de sete anos como Capitão do Porto nos Açores. Escreveu para a Revista da Armada e em 1997 ganhou o prémio de melhor colaborador. Está na Revista de Marinha desde 2016 e é diretor-adjunto desde janeiro de 2018.

Comentar