Ambiente

Limpeza dos Mares no Brasil, recupera vida marinha da Ilha das Galés

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

Mergulhadores voluntários visitaram a Reserva Biológica do Arvoredo

Em 2016, o projeto “Limpeza dos Mares” esteve na Ilha das Galés, na Reserva Biológica do Arvoredo, para retirar o lixo jogado irresponsavelmente no mar e nas proximidades do naufrágio do LILY. Os restos do navio foram encontrados envolvidos em redes de pesca e sem indícios de vida marinha à sua volta. Na época, houve um complexo trabalho para remoção do material e, cinco anos depois, aquele naufrágio voltou a ser um berçário natural de vida marinha.

A ilha das Galés situa-se na Reserva Biológica do Arvoredo
A ilha das Galés situa-se na Reserva Biológica do Arvoredo

Este ano, a visita de verificação, decorreu no sábado dia 27 de novembro, e contou com 40 mergulhadores voluntários acompanhados por técnicos do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) .

Os resultados não poderiam ter sido melhores e mais surpreendentes. Encontrar um lugar, no qual a vida marinha era inexistente, com uma biodiversidade tão grande é a prova concreta da eficácia das nossas ações”, 

Michele Castilho, diretora da Associação Náutica Brasileira (ACATMAR).

 

A Ilha das Galés

Integrada na Reserva Marinha do Arvoredo, fica próxima do município de Bombinhas, no Litoral Norte do estado de Santa Catarina. O local possui uma grande variedade de vida marinha, incluindo a garoupa, o robalo e o paru ou peixe-frade. O único tipo de mergulho permitido é científico, em trabalhos autorizados pelo ICMBio.

No local existe um navio cargueiro afundado, que se tornou uma reserva natural de vida marinha para a região. O cargueiro LILY naufragou no dia 17 de outubro de 1957. Ele fazia o serviço de cabotagem entre o Rio de Janeiro e Santa Catarina e, durante um nevoeiro, colidiu com as rochas do ilhéu.

Os mergulhadores em atividade junto à Ilha das Gales
Os mergulhadores em atividade junto à Ilha das Gales

O projeto “Limpeza dos Mares”

Esta iniciativa uniu os poderes públicos, voluntários e amantes da náutica, com o objetivo de retirar resíduos do fundo do mar, junto à costa. É uma realização da ACATMAR, MUNDO MAR e ACQUANAUTA Floripa com patrocínio de grandes empresas como a Fort Atacadista e a Arcelormittal. Desde a sua fundação em 2014, já executou 27 etapas, contabilizando mais de 114,4 toneladas de resíduos sólidos recolhidos por mergulhadores em diversas praias e ilhas da costa.

A próxima etapa será em São Francisco do Sul

No próximo dia 11 de dezembro, será a vez de São Francisco do Sul, também no litoral catarinense, durante a abertura do Verão 2021/2022, com ações simultâneas na Praia da Enseada e no Rio Acaraí. As inscrições de voluntários, ‘tartaruga’, ‘golfinho’ e ‘estrela-do-mar’ estão abertas no site www.limpezadosmares.com

Ver como estas ações mobilizam pessoas de todas as idades comprometidas com a preservação é muito gratificante”

ressalta Marcell Gossen, gerente de área de saúde, segurança e meio ambiente da Arcelormittal Vega.

Sede do ICMBio em Brasília (imagem Rafaela Felicciano Metrópoles)
Sede do ICMBio em Brasília (imagem Rafaela Felicciano Metrópoles)

O apoio ao projeto é da Polícia Militar Ambiental de SC, Capitania dos Portos de SC, ICMBio, Companhia da Praia, Medilona, P & P Polímeros, Floripa Eco Sacolas Ecológicas, Iate Clube Veleiros da Ilha, Paulista Balões e Infláveis, Plastkolor e o Programa Bandeira Azul.

A Reserva Biológica do Arvoredo

Criada em 12 de março de 1990, através do Decreto Federal n° 99.142, a Reserva Biológica  Marinha do Arvoredo é uma unidade de conservação federal, de proteção integral, que tem como objetivo proteger um pequeno espaço da costa brasileira de grande importância biológica.

O naufrágio do LILY envolto em redes de pesca, numa imagem obtida em 2016
O naufrágio do LILY envolto em redes de pesca, numa imagem obtida em 2016

Localizada no litoral do Estado de Santa Catarina, entre os municípios de Florianópolis e Bombinhas, a Reserva Biológica Marinha do Arvoredo possui 17.600 hectares de superfície e abrange as Ilhas do Arvoredo, Galé, Deserta, Calhau de São Pedro e uma grande área marinha que circunda esse arquipélago.

A alta diversidade de ambientes marinhos e terrestres existentes na Reserva inclui uma infinidade de espécies, sendo muitas delas raras e ameaçadas de extinção. A alternancia de correntes de águas quentes e frias, costeiras e oceânicas, permite que num mesmo local sejam observados pinguins, baleias-francas e lobos marinhos nadando sobre fundos com peixes, corais, esponjas, equinodermos e crustáceos característicos de mares quentes.

Um pormenor do casco do LILY, cheio de vida marinha
Um pormenor do casco do LILY, cheio de vida marinha

As ilhas apresentam remanescentes de Mata Atlântica, locais de reprodução para aves marinhas e sítios arqueológicos  com sambaquis e inscrições rupestres. Além disso, os ambientes marinhos da Reserva fornecem abrigo para reprodução e crescimento de diversas espécies de peixes, o que contribui para manutenção dos estoques pesqueiros da zona.

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (https://www.icmbio.gov.br/), sede nacional em Brasília (DF), é uma autarquia em regime especial. Criado dia 28 de agosto de 2007, pela Lei 11.516, o ICMBio é vinculado ao Ministério do Meio Ambiente e integra o Sistema Nacional do Meio Ambiente (Sisnama).

ICMBio tem como missão principal

formular e implementar políticas públicas ambientais visando proteger o meio ambiente e promover o desenvolvimento socioeconômico sustentável”,

o que faz, executando ações do Sistema Nacional de Unidades de Conservação, podendo propor, implantar, gerir, proteger, fiscalizar e monitorar as UCs instituídas pelo Estado Brasileiro.

O ICMBio é também responsável pelo policiamento ambiental
O ICMBio é também responsável pelo policiamento ambiental

Compete-lhe igualmente, fomentar e executar programas de pesquisa, proteção, preservação e conservação da biodiversidade e exercer o poder de polícia ambiental para a proteção das Unidades de Conservação federais.

(fonte: Edinara Kley, Jornalista)

Comentar