Marinha de Guerra

Marinha norte-americana já tem caças de 5ª geração no Pacífico.

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

Imagens dos modernos caças stealth F-35B Lightning II, da VMFA 121, a esquadra de ataque nº 121, da aviação dos fuzileiros norte-americanos, durante qualificações de pouso no convés de voo do navio de assalto anfíbio USS WASP (LHD 1).

Pela primeira vez na história, uma marinha integrou aviões de combate de 5ª geração nas suas forças operacionais. A chamada 5ª geração de aviões de combate distingue-se por três características principais, a saber, “stealth”, ou seja uma muito reduzida assinatura eletromagnética (radar, comunicações e IR), elevada manobrabilidade (capacidade de executar manobras como a “cobra”, por exemplo) e aviónica avançada, incluindo fusão total em rede de dados (dados de aviónicos e dos sensores do próprio e/ou de terceiros são integrados a apresentados no capacete do piloto).

O USS WASP embarcou os F-35B, no passado dia 5 de março e conduziu uma série de pousos e descolagens, tanto durante o dia como à noite, para aumentar a proficiência dos pilotos e das equipas de convés de voo, para operar a aeronave no mar.
“As duas últimas semanas no mar foram extremamente proveitosas tanto para a guarnição como para o destacamento embarcado do Corpo de Fuzileiros Navais”, disse o capitão-de-mar-e-guerra Colby Howard, comandante do USS WASP. “Demos um grande passo na integração operacional do F-35B, e estamos ansiosos para continuar nossa integração com a 31ª Unidade Expedicionária de Fuzileiros (31st MEU).”

USS WASP, 31st MEU, VMFA 121, marines, fuzileiros, aviação naval, 7ª esquadra, revista de marinha
Elementos da equipa do convés de voo do USS WASP, observam o sobrevoo dum F-35B da VMFA 121 (foto US Navy)

No dia 15 de março, o USS WASP atracou na base de White Beach Naval Facility, Okinawa, após completar o período dedicado às operações de voo com o F-35B.
Em White Beach, o USS WASP embarcará os mais de 1.500 fuzileiros navais da 31st MEU, com base em Okinawa.

Note-se a região do Indo-Pacífico já se tornou o principal centro do interesse estratégico político-militar dos Estados Unidos. Essa situação não é alheia à escolha da região como o primeiro cenário operacional dos aviões de 5ª geração da U.S. Navy.

Também recentemente, no passado dia 9 março, o grupo de ataque do porta-aviões nuclear USS CARL VINSON, terminou uma visita histórica de quatro dias a Da Nang, no Vietnam, interrompendo um interregno de 40 anos, desde a última visita dum porta-aviões norte-americano àquele país do sudoeste asiático.

O porta aviões nuclear USS CARL VINSON, em Da Nang, no Vietnam, a 5 de março de 2018 (foto US Navy)

O USS CARL VINSON, o terceiro porta-aviões da classe NIMITZ, recebeu mais de 1.300 convidados, realizou vários intercâmbios profissionais e uma receção formal com a presença das mais altas entidades vietnamitas, do embaixador dos EUA no Vietnam, Daniel Kritenbrink e do Comandante da 7ª esquadra, Vice-almirante Phillip Sawyer.

uss carl vinson, revista de marinha, 7th fleet, vietnam, eua, estados unidos, usa, us navy
O Comandante da 7ª esquadra, Vice-almirante Phillip Sawyer e o embaixador dos EUA no Vietnam, Daniel Kritenbrink cumprimentando as autoridades vietnamitas (foto US Navy)