Escaparate

Memórias de Foz Côa

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

António Rui Prazeres de Castilho, nascido em 1937, em Matosinhos, vive hoje em Vila do Conde, depois de uma vida cheia, com passagem pelos Açores, na sua infância, regresso a Matosinhos, escolaridade no Colégio Militar, e mais tarde, intensa vida profissional entre 1956 -74, em Angola e Moçambique e depois já na Metrópole.

Sempre gostou de vela, a ela dedicando parte do seu tempo, tendo realizado diversas viagens, entre elas, 4 travessias do Atlântico Norte, Brasil, Atlântico Sul e Mediterrâneo. Por fim, mais recentemente, e já com 80 anos, deu a Volta ao Mundo num pequeno veleiro…

“Memórias de Foz Côa”, como o nome indica, nada tem a ver com o mar, mas, curiosamente, fala-nos de um outro tipo de viagem. Desta vez, o autor empreende uma viagem no tempo, em concreto, convida-nos a retroceder várias dezenas de anos, até um mundo delicioso cheio das suas recordações de infância e adolescência, do tempo de férias de verão em Foz Côa, em casa da sua querida e maravilhosa Avó Cândida de Jesus Margarido, viúva de Guilherme Alberto Ferreira de Castilho, natural de Reboredo, ligado aos vinhos do Porto.

Capa do livro "Memórias de Foz Côa", de António Castilho
Capa do livro “Memórias de Foz Côa”, de António Castilho

Nesta narrativa familiar e sentimental o autor deixa-nos um registo da vida da época e apresenta-nos esta belíssima zona do Douro vinhateiro, pejada de personagens, desde os vários membros da família Castilho e seus primos Pires de Lima e Margarido, que em Foz Côa viviam ou passavam férias, até aos trabalhadores da casa que com eles conviviam, e aqui são carinhosamente evocados pelas suas alcunhas e pelo seu precioso trabalho. Alguns episódios, como as burricadas, piqueniques e vindimas, entre outros, são tão realistas e tão bem descritos, que mais parecem uma pintura! Aqui e ali, com uma deliciosa nota de humor e pormenores de grande interesse, desde o relato da viagem entre Porto e Pocinho, com direito a aula de Geografia ao vivo e uma merenda inesquecível, “Memórias de Foz Côa” é, sem pretensões, como que um documento etnográfico com interesse não só para as famílias aqui mencionadas, como também para todos os que se interessam por Foz Côa e seu passado, bem como pelos usos, costumes e trabalhos de então, na linda paisagem do Douro vinhateiro.

A Revista de Marinha agradece a oferta deste livro e felicita o seu autor, Rui Castilho, que assim cumpre com sucesso o desígnio de transmitir às gerações vindouras as recordações do que era sempre “Uma Grande Festa” – as férias em Foz Côa!

A quem tenha interesse, a Revista de Marinha facultará, com gosto, os contactos do autor.

Fátima Fonseca

Licenciada em Filologia Germânica, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, é editora da "Revista de Marinha" e das “Edições Revista de Marinha”, com as quais colabora regularmente desde 2012.

Comentar