Marinha de Guerra

O HMS DRAGON em Leixões

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

Passou recentemente pelo porto de Leixões o contra-torpedeiro inglês (D35) HMS DRAGON, quarto navio do Tipo 45, i.e. classe DARING que tem entre outras características um sistema muito desenvolvido de defesa aérea. Teve a cerimónia de lançamento à água em novembro de 2008, concluiu as provas de mar em 5 de novembro de 2010, entrou pela primeira vez em Portsmouth, onde faz armamento, em 31 de Agosto de 2011, e encontra-se em serviço activo desde 20 de Abril de 2012.

O navio teve o início da sua construção no estaleiro da BAE Systems Surface Fleet Solutions, em Scotstoun, no rio Clyde, em Dezembro de 2005, e em 2005 a secção da proa foi aplicada ao conjunto dos módulos em Govan, no dia 17 de Novembro de 2008. A madrinha de baptismo do navio foi a Srª Susie Boissier, esposa do Vice-almirante Paul Boissier, na época segundo comandante-naval.

O contra-torpedeiro HMS DRAGON, entre outras características, ostenta em ambas as amuras a imagem dum «Dragão Galês», sendo o único navio da esquadra adornado com imagens.

O Dragão Galês vermelho decora a proa do navio HMS DRAGON (imagem Reinaldo Delgado)
O Dragão Galês vermelho decora a proa do navio (imagem Reinaldo Delgado)

Imagens essas já existentes na altura do lançamento à água, porém, retiradas durante uma remodelação do navio em 2011, porém, foi posteriormente, fruto duma campanha promovida pela Associação dos Navios de Guerra Ingleses, recuperada a pintura dos dragões, agora com carácter definitivo, durante o ano de 2016.

Deve igualmente ser assinalada a aparição do navio no 25º filme da série James Bond, intitulado “No Time to Die”, falseando a utilização de misseis terra-ar “Aster”, somente utilizados em lançamentos a partir do solo. O bombardeamento desempenhado pelo DRAGON, na parte final do referido filme, foi gravado nas Ilhas Faroe, em Setembro de 2019.

O navio tem um deslocamento de 8.000 toneladas, 152,40 metros de comprimento por 21,20 metros de boca. Quanto à propulsão foram-lhe instaladas duas turbinas a gaz, do modelo WR-21 da marca Rolls-Royce, debitando cada 28,800 Shp, que lhe proporciona uma velocidade de cruzeiro na ordem dos 30 nós por hora. Ainda, se fôr o caso, face à necessidade de realizar viagens de longa distância, o navio consegue percorrer 7.000 milhas (13.000 km), navegando à velocidade de 18 nós. Para terminar, o navio tem uma guarnição permanente de 121 oficiais, sargentos e praças, que pode ser aumentada até 235 tripulantes.

Porque, tratando-se de navio de guerra, e neste caso é irrelevante a nacionalidade, não são feitos registos de permanência dos navios em porto, contudo, não conhecendo qual foi o porto de procedência, é de presumir que o navio possa ter regressado à base no porto de Portsmouth.

Leia o artigo sobre modelismo do mesmo navio em: https://revistademarinha.com/os-novos-destroyers-da-royal-navy/

Reinaldo Delgado

Autor do blog "Navios e Navegadores", é um amante do mar e dos navios, que fotografa com regularidade. Investigador sobre história marítima (marinhas de guerra e de comércio), é colaborador da Revista de Marinha há vários anos, escrevendo principalmente sobre temas relacionados com o norte do país. Durante a sua vida profissional exerceu funções na agência Sofrena - Sociedade de Afretamentos e Navegação, Lda. de Matosinhos, hoje integrada no grupo E.T.E. - Navex

Comentar