Marinha de Guerra

O N/M ROAZ participou no CONTEX-PHIBEX 2019

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

No passado dia 27 de junho, o N/M ROAZ participou no exercício CONTEX-PHIBEX (1) levado a cabo por uma Multi National Task Force, constituída por navios Portugueses e Espanhóis, com o objetivo de treinar e melhorar as capacidades operacionais das forças marítimas envolvidas, num cenário específico de fluxo de navios, tendo em vista o controlo e a interação com navios mercantes para o controlo, fiscalização e busca de trafico de armas.

O NM ROAZ a navegar frente à costa de Portugal continental
O NM ROAZ a navegar frente à costa de Portugal continental

O N/M ROAZ é um navio cimenteiro com registo da MADEIRA (MAR -RINMAR) e é atualmente o único navio Português deste tipo. É operado pela Seacarrier – Sociedade de Navegação e Transportes S.A. ao serviço da cimenteira Portuguesa Secil – Sociedade Geral de Cal e Cimento S.A.l., encontrando-se a operar entre portos do Continente (Setúbal, Aveiro, Leixões e Viana do Castelo), portos de Espanha (Vigo) e do Arquipélago da Madeira (Funchal e Porto Santo), transportando cerca de 3000 MT de cimento a granel por viagem.

Esta participação do ROAZ neste exercício, foi previamente combinada com o COMNAV/NCAGS (2) tendo em vista o treino específico de intersecção e abordagem por suspeita de tráfico de armamento.

Refletindo os primeiros raios solares da manhã, o NRP CORTE REAL aproxima-se do N/M ROAZ para a abordagem de inspeção. (foto do autor)
Refletindo os primeiros raios solares da manhã, o NRP CORTE REAL aproxima-se do N/M ROAZ para a abordagem de inspeção. (foto do autor)

 Neste contexto, foram escondidas a bordo umas caixas identificadas como material bélico, para treino, tendo o ROAZ sido intersectado pelo NRP Corte Real e abordado por uma força de Fuzileiros, os quais procederam à busca do material de guerra ilícito.

 O exercício realizou-se com sucesso e dentro da normalidade, ao amanhecer do dia, na zona compreendida entre o Cabo da Roca e o Cabo Espichel, tendo o ROAZ sido posteriormente escoltado pela Fragata Corte Real até próximo da entrada da barra do porto de Setúbal, que era o seu porto de destino, para proceder a mais um carregamento de cimento e iniciar mais uma viagem.

Fuzileiros progredindo a bordo dum navio “suspeito” (foto MP)
Fuzileiros progredindo a bordo dum navio “suspeito” (foto MP)

A colaboração do N/M ROAZ já é recorrente, tendo também participado anteriormente no exercício SWORDFISH 2018, com a Marinha Portuguesa e outras forças navais de várias nacionalidades.

Esperamos poder continuar a cooperar neste tipo de exercícios, ou outros, contribuindo humildemente para o treino da Marinha Portuguesa, que na sua nobre missão, quer em águas nacionais ou internacionais, nos deixa a todos muito orgulhosos.

s navios GALÍCIA, NRP BÉRRIO e VITÓRIA vistos da asa da ponte de Estibordo duma fragata portuguesa (foto MP)
Os navios GALÍCIA, NRP BÉRRIO e VITÓRIA vistos da asa da ponte de Estibordo duma fragata portuguesa (foto MP) 

Notas da redação:

(1) –  O CONTEX-PHIBEX 19 é um exercício naval e anfíbio do Comando Naval, que tem como objetivo melhorar a proficiência da esquadra da Marinha Portuguesa e dos fuzileiros que, juntamente com as outras forças e unidades aliadas, interagem perante um cenário multidimensional, no âmbito das operações de resposta a crise. Este ano decorreu ao largo da costa portuguesa, entre os dias 17 e 28 de junho

A Marinha Portuguesa empenhou 10 navios e centenas de militares da Força de Fuzileiros e dos Destacamentos de Mergulhadores. Os navios foram as fragatas  NRP CORTE-REAL (integrada na EUROMARFOR) e NRP ÁLVARES CABRAL, o submarino TRIDENTE, os patrulhas oceânicos NRP SETÚBAL e FIGUEIRA DA FOZ, o navio reabastecedor NRP BÉRRIO, o navio hidrográfico NRP ALMIRANTE GAGO COUTINHO, o patrulha NRP TEJO e as lanchas NRP DRAGÃO e NRP ESCORPIÃO.

drones no convés de vôo do NRP SETÚBAL (foto MP)
Drones no convés de vôo do NRP SETÚBAL (foto MP)

 Para além da Armada Portuguesa e da Força Aérea Portuguesa, participaram meios das Marinhas de Espanha, França, Itália e Estados Unidos, e o Task Group EUROMARFOR constituído pelas fragatas NRP CORTE-REAL (Portugal) e VITÓRIA (Espanha), e pela corveta  COMMANDANT BLAISON (França). Portugal assume o comando da EUROMARFOR entre setembro de 2017 e setembro de 2019.

A corveta COMMANDANT BLAISON (foto MP)
A corveta COMMANDANT BLAISON (foto MP)

Fuzileiros navais espanhóis, portugueses e italianos, embarcados no navio-doca GALÍCIA (Espanha), operaram em conjunto, conduzindo operações anfíbias integradas no cenário do exercício.

(2) –  Naval Co-operation And Guidance for Shipping (NCAGS) é um conceito da NATO para operações com envolvimento de navegação mercante. Esta vertente das operações navais, estabelecida em finais de 2003, quando a NATO tomou a decisão de substituir a doutrina que viveu como herança desde os primórdios da Segunda Guerra Mundial, foi praticada pela primeira vez num exercício nacional em 2004.

Uma lancha de desembarque entra no navio-doca GALÍCIA
Uma lancha de desembarque entra no navio-doca GALÍCIA

 

José Castro

Capitão da Marinha Mercante, exerce funções de comandante do N/M ROAZ desde 2002.

Comentar