Património Cultural Marítimo

O restauro da Capela-Farol de S. Miguel-o-Anjo

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

Um edifício emblemático, imóvel classificado, cuja origem remonta ao século 16. O restauro parece terminado, mas ficou incompleto, pois a Capela-Farol propriamente dita ficou esquecida.

Para melhor compreensão relativamente aos trabalhos realizados no restauro da Capela-Farol, sabendo tratar-se dum pequeno mas emblemático edifício na cidade do Porto, cuja construção data originalmente de 1528, teremos de nos reportar à notícia publicada na Revista de Marinha, Nº988, de Novembro-Dezembro de 2015, pp. 15, da qual extraímos os dois primeiros parágrafos, como segue:

No dia 24 de Julho de 2015, teve lugar a assinatura de um protocolo de colaboração entre a Direcção Regional de Cultura do Norte, a Associação Comercial do Porto, a Administração dos portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo e a Marinha Portuguesa, com vista ao restauro e valorização do Farol-Capela de S. Miguel-o-Anjo, situado na zona da Cantareira, na cidade do Porto.

Trata-se de uma peça de arquitectura marítima de valor singular no panorama do património nacional, pois além de ser simultâneamente o primeiro farol construído de raiz no país, é também um dos mais antigos faróis existentes na Península e por toda a Europa.

A Torre Semafórica, de três pisos, revestida a azulejos de padrão em relevo, policromo, com cunhais de cantaria, e remate em friso (imagem do autor)
A Torre Semafórica, de três pisos, revestida a azulejos de padrão em relevo, policromo, com cunhais de cantaria, e remate em friso (imagem do autor)

Os trabalhos de restauro da Capela-Farol estavam previstos ser concluídos no período de um ano e meio, orçando num valor na  ordem dos 580 mil euros, comparticipados pelas entidades signatárias do acima referido protocolo.

Do conjunto de obras que entretanto foram sendo executadas, a Marinha Portuguesa deu por terminados os trabalhos de  recuperação da Estação de Socorros a Náufragos, ali localizada, ainda dentro do prazo acordado, o que mereceu rasgados elogíos do ex-ministro da Defesa, Dr. Azeredo Lopes.

E, acto contínuo, foi também terminada a recuperação da área envolvente, que havia ficado a cargo da Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo, trabalho esse de cariz ambientalista, que efectivamente veio valorizar  substancialmente aquele espaço, por onde sempre circularam grande número de turistas nacionais e estrangeiros.

O pequeno edifício quinhentista da capela, em granito, com cobertura em cúpula octogonal, possui um interior quadrangular reduzido, que inclui na parede testeira, três nichos, interiormente curvos e com abóbadas em concha (imagem do autor)
O pequeno edifício quinhentista da capela, em granito, com cobertura em cúpula octogonal, possui um interior quadrangular reduzido, que inclui na parede testeira, três nichos, interiormente curvos e com abóbadas em concha (imagem do autor)

Quanto aos restantes trabalhos a serem realizados, é algo constrangedor salientar a decepcionante participação da Direcção  Regional de Cultura do Norte, por ter permitido que as obras em curso, da Torre Semafórica construída no sécilo XIX, servindo igualmente de posto de observação dos pilotos da barra, se tivessem prolongado entre finais de Agosto a princípios de Setembro do corrente ano.

Se por um lado está cumprido um dos principais objectivos, que visava a abertura de uma porta através da referida torre, para ser possível ter acesso ao interior da Capela-Farol, lamenta-se constatar que a Capela-Farol propriamente dita ficou esquecida, para futuros trabalhos, cuja previsão para serem efectuados, muito provavelmente ninguém sabe ou desejará responder.

 

Reinaldo Delgado

Autor do blog "Navios e Navegadores", é um amante do mar e dos navios, que fotografa com regularidade. Investigador sobre história marítima (marinhas de guerra e de comércio), é colaborador da Revista de Marinha há vários anos, escrevendo principalmente sobre temas relacionados com o norte do país. Durante a sua vida profissional exerceu funções na agência Sofrena - Sociedade de Afretamentos e Navegação, Lda. de Matosinhos, hoje integrada no grupo E.T.E. - Navex

Comentar