Etiqueta

Slider

Browsing

Diz o ditado popular, “não há regra sem excepção”, exemplo disso é o presente artigo da RM. Nesta edição, não abordaremos um tema genérico como habitual e será como o título elucida, um destaque de notícias oportunas, que se agitam na presente maré dos desportos náuticos, onde os Jogos Olímpicos se destacam por circunstâncias várias, na expectativa se o abalo pandémico no mundo desportivo deixará cicatrizes graves. Aguardemos para breve o desfecho.

Jogos Olímpicos Tokio 2020 (realização Julho 2021)

Após inúmeras indecisões provocadas pela pandemia mundial Covid-19, tudo indicia e se perfila para a concretização dos JO de Tóquio 2020, precisamente um ano depois. Os atletas náuticos portugueses representarão o Mar de Portugal em águas japonesas, tanto em Mar, lagos, rios e piscinas.

Serão cinco as modalidades que a náutica portuguesa participará, sendo uma delas inovação nos JO, o Surf, mais as restantes quatro repetentes: Canoagem, Natação, Remo e Vela. Ao todo serão 25 atletas.

A epquipa olimpica de Portugal na despedida ao Presidente da República (imagem Presidência da República)
A epquipa olimpica de Portugal na despedida ao Presidente da República (imagem Presidência da República)

Canoagem

Velocidade: 7

K1 1000 – Fernando Pimenta

K1 200 – Teresa Portela

K4 500 – Emanuel Silva/João Ribeiro/David Varela/Messias Baptista

K1 500 – Joana Vasconcelos

Slalom: 1

K1 – Antoine Launy

Natação: 7

1500m Livres – Diana Durães

200m Mariposa – Ana Catarina Monteiro

200m Estilos – Gabriel Lopes

200m Estilos – Alexis Santos

1500m Livres + 800m Livres – Tamila Holub

800m Livres – José Paulo Lopes

200m Costas – Francisco Santos

Remo: 2

LM2x – Pedro Fraga e Afonso Costa

Yolanda Hopkins (D.R.)
Yolanda Hopkins (D.R.)

Surf: 3

Shortboard – Frederico Morais, Teresa Bonvalot e Yolanda Hopkins

Vela: 5

49er – Jorge Lima/José Costa

470 – Diogo Costa/Pedro Costa

Laser Radial – Carolina João

Fica a ambição para a comitiva náutica de salientarem e repetirem o êxito que experimentaram no rumo a Tóquio, qualquer dos presentes terá essa oportunidade, …todos vão lá estar, alguns deles reconhecemos-lhes, que a subida ao pódio é justa e merecedora pelo trabalho demonstrado, nós Revista de Marinha desejamos a todos os participantes o melhor desempenho na representação da bandeira nacional e que as aspirações se concretizem. O Mar de Portugal merece.

O livro Jogos Olímpicos - Medalhas de Portugal
O livro Jogos Olímpicos – Medalhas de Portugal

Jogos Olímpicos Medalhas de Portugal

No passado dia 16 de Junho decorreu no emblemático Estádio do Jamor, na sua tribuna de honra, a oportuna apresentação do livro “Jogos Olímpicos Medalhas de Portugal”.

A iniciativa da edição foi do Comité Olímpico de Portugal, através do seu Presidente José Manuel Constantino, tendo como colaboração A Bola, cujo autor, António Simões, jornalista do emblemático orgão de comunicação social, apresentou a obra, sustentada também, na vertente das histórias que complementam a História dos êxitos alcançados. Uma visão diferente, para cativar a perspetiva de um olhar para além do cronometro ou esforço físico.

Na apresentação estiveram presentes, não só alguns dos protagonistas das medalhas olímpicas referenciadas desde Paris 1924, até à última realização Rio de Janeiro 2016, como várias figuras de destaque do mundo desportivo das variadas modalidades que ajudaram à construção de alguns destes substanciados êxitos.

A Revista de Marinha felicita o promotor desta edição, bem como o autor pelo trabalho produzido, ficando a esperança que volumes de relatos de factos similares se multipliquem na História desportiva portuguesa.

A tripulação vencedora da regata The Ocean Race Europe (imagem Mirpuri Foundation)
A tripulação vencedora da regata The Ocean Race Europe (imagem Mirpuri Foundation)

The Ocean Race

A regata à volta do mundo regressa agora despida na sua denominação de imagem da marca Volvo, nome que impulsionou a prova ao conhecimento da maioria dos portugueses e do mundo, presentemente identificada só pelo apelido “The Ocean Race”.

Algumas alterações e inovações, também devido ao Covid-19, foram implementadas para este evento e edição, tais como:

– só se ter realizado na Europa em três etapas e quatro portos de escala. 1ª etapa, largada em Lorient, chegada a Cascais, 2ª, Cascais – Alicante, 3ª e última, Alicante – Génova;

– participaram duas classes de barcos, a IMOCA 60 com cinco equipas e a VO65 com sete equipas.

Para nós, Portugal, de realçar mais uma vez estar presente com uma equipa de bandeira, a “Mirpuri Foundation Racing Team”, onde embarcaram três portugueses: Bernardo Freitas, Frederico Melo e Mariana Lobato.

No final em Génova o pódio na classe IMOCA foi: 1º- Offshore Team Germany;

2º- 11th Hour RacingTeam;

3º- LinkdOut.

Na classe VO65: 1º- Mirpuri Foudation Racing Team (Portugal);

2º- Sailing Poland;

3º- AkzoNobel Ocean Race.

Em Outubro de 2022 a prova decorrerá no figurino do seu ADN, ie, será mais uma volta ao mundo com largada de Alicante, em Espanha, e chegada no Verão de 2023 a Génova, em Itália. Visitará novos portos de escala e disputar-se-á em nove etapas.

A Revista de Marinha felicita a equipa portuguesa Mirpuri pelo magnífico lugar nesta prova de excelência mundial, entretanto aguardará para “embarcar” no evento 2022-2023, relatando as emoções que este mais longo evento desportivo do mundo provoca nos apaixonados pelas aventuras do Mar.

Que a circunstância pandémica mundial assim o permita e que a vitória portuguesa se repita.

Logo da FPV
Logo da FPV

Candidaturas à Federação Portuguesa de Vela

Estatutariamente as eleições para a Federação de Vela ocorrem no final de cada Ciclo Olímpico, sendo convocadas até 30 Setembro do ano a que respeitam. Os mandatos têm a duração de um quadriénio, coincidindo com a duração de cada Ciclo Olímpico. No entanto, o mandato para o próximo ciclo Paris 2024 será encurtado para triénio 2021-2024, por decisão tomada pela AG da FPV de prorrogar por um ano o mandato 2016-2020, ao abrigo das medidas excepcionais e temporárias tomadas pelo Governo, inscritas no DL 18-A/2020 de 23 Abril.

A poucos meses das eleições já duas candidaturas foram apresentadas: uma primeira dada a conhecer aos Associados em Junho 2020, liderada por Rui Abreu para Presidente da Federação, com Martins da Cruz para Presidente da mesa da Assembleia-Geral; uma segunda candidatura surgida em Maio 2021 é encabeçada por Mário Quina para Presidente da Federação, com António Roquette actual Presidente da FPV, ao cargo de Presidente da MAG.

Devido ao escasso conhecimento existente até ao momento sobre as acções a serem preconizadas por ambas as candidaturas para o futuro da Vela em Portugal, será do maior interesse para a comunidade da modalidade poder vir a dispor de um debate esclarecedor a ser protagonizado entre os presidentes candidatos aos dois órgãos sociais.

A Revista de Marinha aguarda o sugestionado, disponibilizando-se para servir de promotor do debate, via plataforma digital, e sua posterior divulgação pelos meios que dispõe. A acontecer será mais uma colaboração dada pela RM para a consolidação de um futuro que se deseja capaz de honrar o passado histórico da Vela em Portugal.