Category

Crónicas

Category

a propósito do Dia Mundial dos Oceanos – 8 de junho

Desde criança que vou à praia. Costumava construir castelos de areia com baldes e pás de plástico que às vezes se perdiam. Tenho saudades de chegar a casa depois de um dia de praia e correr para a banheira para não espalhar areia pelo chão todo. Tenho saudades de cheirar a protetor solar. Tenho saudades de não querer ir tomar banho para que o meu cabelo ficasse a cheirar a água salgada. Adoro água salgada. Cresci em Lisboa, mas vivi quatro anos na Ilha Terceira, nos Açores. Nos Açores todos têm uma ligação ao mar, é natural, viver rodeada de mar faz-nos sentir responsável por ele. Verdade? Cresci rodeada de mar e culpando os outros por deixarem lixo para trás. Mas eu também o deixei, porque não apanhei.

Anja Osenberg, castelos na areia, praia, plástico
construindo castelos na areia (foto Anja Osenberg)

A água agora está salgada de plástico e já não é a mesma. Não sei se as crianças, agora, constroem castelos de areia ou castelos de plástico. Dizem que quanto mais perto de algo estamos, mais valor lhe damos. É difícil estar longe do mar e dar o mesmo valor que alguém que vive em frente dele. Mas a realidade está à vista, nem nós, grandes protetores da nossa rua conseguimos mudar o mundo.

Plástico no mar, mar, poluição, tkremmel
“a água está salgada de plástico” (foto tkremmel)

Agora estou a viver em Londres. Agora só vejo o mar uma vez por ano. Comer peixe aqui não é a mesma coisa. Comer peixe aqui é saber que veio de um mar nunca visto. Um mar que desconheço, que não entendo porque não vejo. Não sabe ao mesmo. Mas eu já vi o mar, já mergulhei nele, já senti o sal na minha boca e já fui feliz. Mas não moro lá, não o vejo, não o cheiro.

Quando se emigra ganha-se umas coisas e perdem-se outras. Agora só consigo ver o mar através das redes sociais e está coberto de plástico. Os seres marinhos do Oceanário estão mais seguros do que os que não foram tirados do seu habitat natural. O mundo está sensibilizado para o problema, mas o plástico tornou-se tão comum que passou a ser invisível aos nossos olhos. Castelos de areia podem ser construídos com as mãos, sem baldes e pás de plástico. Castelos de plástico podem ser construídos para limpar o mar e as nossas praias. Vamos construir castelos?